CURRICULO PESSOAL

Minha foto

M.Div
Ph.D Teologia
Psicanalista Clinico (estag)
Escritor - 21 livros publicados
Master-trainer PNL

Postagens populares

segunda-feira, outubro 31

Eis os que oram para obrigar Deus a resolver....


  E quando ele havia consultado com o povo, ele designou aqueles que deveriam cantar ao Senhor, e que devemos louvar a beleza da santidade, ao saírem diante do exército e foram dizendo: "Louvai ao Senhor, porque a sua benignidade dura para sempre. "2 Crônicas 20:21

  Os cristãos concordam quase universalmente ", Deus responde a oração." Mas muitas pessoas, se fossem honestos, alterariam a frase para dizer: "O Senhor responde a maioria das orações, mas não a minha."
Um crente pode invocar a Deus com fervor sem receber o que ele considera uma resposta satisfatória. O tropeço não é falta de vontade de Deus ou incapacidade de responder, mas sim a nossa vontade de aceitar a Sua solução. Se nos aproximamos de Deus com uma idéia preconcebida de como resolver o nosso problema, nós provavelmente esqueceremos a quem entregamos nossa vida  e sua verdadeira solução.
Suponha que o rei Josafá tinha decidido que Deus poderia respondera  sua oração só dando a força do exército extra para o próximo confronto. Ele teria chamado um conselho de guerra, vestiria seus soldados de armadura, e criaria linhas de batalha.
A solução de Deus foi totalmente inesperada: Enviar o coro na frente do exército cantando louvores. Se os soldados de Josafá tivessem tentado combater, eles teriam perdido Jerusalém.
Às vezes nós não gostamos de solução de Deus. Nós desejamos a liberdade da dor física ao invés de uma medida extra de graça para suportar a dor. Ou queremos um novo emprego, e não uma ordem para buscar o perdão do chefe de nossa atitude pobre.
Em essência, queremos o Senhor para resolver tudo sem a necessidade de qualquer esforço da nossa parte. Mas a nossa vontade de obedecer é a chave para a oração respondida. Quando Ele nos diz como resolver nosso problema, devemos agir da mesma forma que especifica, ou nunca iremos experimentar a vitória.
Ponto de oração: Peça ao Senhor para dar-lhe a graça de sempre apresentar aos Seus caminhos.
Leitura bíblica: 2 Crônicas 20:14-25

terça-feira, outubro 25

6 Razões benéficas para não mudar de Igreja





Pensando em se mudar para outra igreja?

Há muitas razões para mudar igrejas: um senso de chamado de Deus, a presença de conflito, a frustração com líderes leigos, a estagnação, a oportunidade de ir a uma igreja maior. Mesmo assim, durante a última década eu aprendi  que há também boas razões para ficar. Você encontra-se pensando que é hora de mudar?
Em primeiro lugar, permanecendo com seus modelos igreja atual compromisso cristão o que significa.
Na prática, nossa cultura tem pouca ou nenhuma consideração para o compromisso. O divórcio é fácil. Ser um pai biológico e ser um pai muitas vezes são duas coisas diferentes. Casais normalmente vivem juntos sem ter votos. Os executivos se sentem pouca responsabilidade pelo bem-estar de seus funcionários. Poucos empregados encontrar razões para ser leais a seus empregadores. Infelizmente, o nosso desprezo cultural para o compromisso já infectou a Igreja americana. Como pastores, nós detestamos o consumismo "o que está nele para mim" Perante esta  atitude que faz com que muitos membros ‘viagem’ de igreja em igreja. Quantas vezes, nós , pastores, somos parte do problema, também? De que forma poderão os fiés ver que o pastor  da Igreja é um homem de longo compromisso?
Eu acredito que um pastor é chamado para modelo de compromisso cristão tem suas raízes no exemplo de Cristo, o Bom Pastor. Em João 10:11-13, Jesus diz: "Eu sou o bom pastor. O bom pastor dá a vida pelas ovelhas. O mercenário não é o pastor que é dono das ovelhas. Então, quando ele vê vir o lobo, abandona as ovelhas e foge. Então o lobo ataca o rebanho e espalha-lo. O homem foge porque é mercenário e não se importa com as ovelhas. "
Como o Bom Pastor, Jesus demonstra o que significa compromisso. E às vezes isso significa, que estabelece a nossa vida, nossos sonhos pessoais, ambições e metas para as ovelhas (as pessoas em nossas congregações presentes). Em contraste, aqueles que ministram como "contratados" e são rápidos a correr para outra congregação quando surgem frustrações ou uma "oferta melhor". Isto não quer dizer que Deus nunca leva um pastor para mudar de igreja. Ele claramente não. Mas, se o pastor também não tem compromisso com a Igreja e fica esperando melhor oferta em outra congregação como poderá os os crentes ver naqueles pastor um canal de bênçãos?”

A segunda vantagem de não alterar as igrejas, especialmente no meio da contenda, é o crescimento espiritual.
  Tiago 1:2-4 diz: "Considere-pura alegria, meus irmãos, sempre que enfrentar provas de vários tipos, porque você sabe que a prova da vossa fé produz perseverança. A perseverança deve terminar seu trabalho para que sejais perfeitos e completos, não faltando em coisa alguma. "
É fácil pregar a perseverança, é muito mais difícil praticá-lo quando as coisas azedam em nossas igrejas. Mesmo assim, Tiago nos diz que o fruto da perseverança em meio a dificuldades, incluindo os desafios em nossas igrejas, é a maturidade espiritual. O que acontece, então, quando temos o hábito de responder a contenda da congregação com a atitude de trocar de igrejas? Não roubamos de nós mesmos e nossas igrejas a oportunidade de crescer espiritualmente?
Em Colossenses 3:13, Paulo está se dirigindo uma igreja local, quando ele diz: "Ajudem-se uns aos outros e perdoem as queixas que têm contra o outro. Perdoem como o Senhor vos perdoou. "Como pastores, somos membros do corpo local que servimos. Nós não estamos isentos deste comando. Quando injustiçado ", rolamento com" um ao outro não significa o envio de nossos currículos. Apenas por ficar com nossas igrejas e trabalhando através do conflito que aprendemos a perseverar e perdoar como Deus nos perdoa em Cristo. Por mais doloroso que o processo pode ser, nada menos tiras-nos de uma oportunidade de crescer.
Um terceiro benefício de não mudar as igrejas tem a ver com a pregação. Longevidade aumenta a eficácia dos sermões de um pastor.
  Haddon Robinson escreve: "Obviamente, uma vantagem de um ministério longo é que o pastor tem uma melhor chance de trazer a percepção e a realidade juntos. O pastor de compromisso é julgado mais em seu padrão de comportamento do que uma aparência específica. As pessoas estão mais propensas a dizer, 'O pastor não só fala de amor, ele dá amor. Ele estava lá em crises nossa família quando precisávamos dele. " Um padrão de cuidado pode cobrir uma multidão de menos-que-estelar sermões. "Ficar com uma igreja por um período prolongado de tempo permite que a realidade de Cristo em nós para aprofundar o impacto da nossa pregação.
Um quarto benefício de não mudar igrejas é a longevidade fornece oportunidade para ministrar num nível mais profundo.
  A oportunidade de ministrar a alguém de uma maneira íntima é quase sempre "apenas por convite." Poucos crentes estão dispostos a partilhar o seu segredo- lutas, cicatrizes de abuso, uma batalha com pornografia, desejos homossexuais, um casamento fracassado, ou dúvidas sobre o seu própria fé, até que eles se sentem seguros. A sensação de segurança requer confiança. Confiança leva tempo. É por isso que a longo prazo o  ministério com uma igreja quase sempre traz uma maior oportunidade de ministrar para as pessoas em níveis mais profundos de forma mais íntima.
O quinto benefício de não mudar igrejas é o privilégio de ver Deus transformar as famílias através das linhas de gerações.

O privilégio de assistir famíliaspara que Deus os transforme em todas as linhas de gerações é uma das maiores bênçãos que eu conheço. Se ei tivesse sido um cristão que troca de igreja eu nunca teria visto os filhos dos crentes criar seus filhos a acreditar também. Esta alegria é algo que eu não trocaria por um "maior" ou "melhor" da igreja.
Um benefício final de não mudar as igrejas é um que devemos tomar cuidado para não ignorar. Ficar pode melhorar as nossas perspectivas sobre o dia que Deus nos chama para dar uma conta.
  Em Hebreus 13:17, os crentes são instruídos, "Obedeçam aos seus líderes e submeter à sua autoridade. Eles cuidam de vocês como quem deve prestar contas. "Se nós somos responsáveis ​​pelo bem-estar espiritual daqueles que pastor, devemos colocar o seu bem-estar eterno acima de nossos próprios desejos pessoais ou" carreira "objetivos. Sempre que consideramos um movimento, temos de avaliar o impacto de nossa partida terá sobre nossa congregação presente. Devemos nos perguntar se nossa partida acabará por beneficiar o rebanho que atualmente servem ou se ele irá danificá-los. Novamente, isso não significa que nunca pode deixar uma igreja para outra, isso não significa, no entanto, não devemos ser rápidos a fazê-lo. Porque somos responsáveis ​​pelo bem-estar do povo de Deus, muita oração e um exame honesto de nossos motivos são pré-requisitos para deixar uma igreja para outra. Se os danos ao povo de Deus através de uma atitude imprudente ou egoísta, Ele nos considerará responsáveis. Ao decidir se quer permanecer ou ir, devemos manter a eternidade em vista.
Há muitas razões para mudar igrejas. Alguns desses motivos são louváveis, alguns não são. Em qualquer caso, antes de fazer sua próxima jogada, não basta considerar os benefícios de deixar. Considerar os benefícios de ficar, também.

segunda-feira, outubro 24

Choro e ranger de dentes


Este vai ser o destino
de verdadeiros cristãos?
Há sete passagens no Novo Testamento que falam de "choro e ranger de dentes". Seis são encontradas no evangelho de Mateus, um em Lucas:
E eu vos digo que muitos virão do leste e oeste, e deve sentar-se com Abraão, e Isaque, e Jacó, no reino dos céus. Mas os filhos do Reino serão lançados nas trevas exteriores: ali haverá choro e ranger de dentes (Mateus 8:11-12).
O Filho do Homem enviará os seus anjos, e eles ajuntarão do seu reino todos os escândalos e os que praticam a iniquidade, e lançá-los na fornalha de fogo: ali haverá choro e ranger de dentes (Mateus 13 :41-42).
Assim será no fim do mundo: os anjos sairão, e separarão os maus dentre os justos, E lançá-los na fornalha de fogo: ali haverá choro e ranger de dentes (Mateus 13:49 - 50).
E ele disse-lhe: Amigo, como entraste não tendo veste nupcial? E ele emudeceu. Então disse o rei aos servos: Amarrai-o de pés e mãos, e levá-lo embora, e lançai-o nas trevas exteriores; ali haverá choro e ranger de dentes (Mateus 22:12-13).
O senhor daquele servo virá no dia em que ele não olha para ele, e numa hora que ele não tem conhecimento de, e que cortá-lo em pedaços, e nomear-lhe a sua parte com os hipócritas; ali haverá choro e ranger de dentes (Mateus 24:50-51).
Porque a qualquer que tiver será dado, e terá em abundância, mas daquele que tem não será tirado até o que ele tem. E lançai o servo inútil nas trevas exteriores: ali haverá choro e ranger de dentes (Mateus 25:29-30).
Mas ele dirá: Digo-vos que não sei de onde vós sois; afastasse de mim, vós todos os que praticais a iniqüidade. Ali haverá choro e ranger de dentes, quando virdes Abraão, e Isaque, e Jacó, e todos os profetas, no reino de Deus, e vós lançados fora (Lucas 13:27-28).
Estudantes da Bíblia têm geralmente entendida estas passagens como referindo-se a condenação dos pecadores no inferno, mas esse entendimento tradicional de textos tem sido questionada em alguns círculos. Joseph Dillow, em seu livro The Reign of the Kings Servo, escreve o seguinte:
A frase "choro e ranger de dentes" é encontrada sete vezes no Novo Testamento. Mesmo que seja utilizado em três ocasiões a experiência do não-regenerado no inferno (Mateus 13:42, 50; Lucas 13:28), também é utilizado em quatro ocasiões do regenerado no reino (Mateus 8:12; 22 : 13; 24:51; 25:30 - estes são marcados em vermelho acima). O fato de que o não-crente pode experimentar profundo pesar no inferno, de modo algum implica que o verdadeiro cristão não pode experimentar profundo pesar no reino (não haverá remorso no céu) ... Parece que estes versos explicar adequadamente a experiência de profundo pesar para o cristão infiel que Mateus chama de "choro e ranger de dentes. (p. 351)
Zane Hodges, em seu livro de graça no Eclipse, escreve o seguinte:
A maioria dos leitores Christian identificar as "trevas exteriores", como uma descrição do inferno. Eles ficariam surpresos ao saber que a palavra grega empregada aqui é utilizado apenas três vezes, todas em Mateus (8:12; 22:13; 25:30 - estas passagens são destaque acima), e em nenhum outro lugar no Novo Testamento. ... Não há nenhuma sugestão aqui de punição ou castigo. A presença de remorso, em forma de choro e ranger de dentes, não de qualquer maneira essa inferência exigem. (P.89)
Robert Wilkin é o Diretor Executivo da Sociedade Evangélica Graça (GES), uma sociedade que promove os ensinamentos de Zane Hodges, Dillow Joseph e outros. Wilkin ensina que o "choro e ranger de dentes" representa a tristeza e remorso e arrependimento que os crentes infiéis vão experimentar no tribunal de Cristo. Ele diz que esse remorso e arrependimento graves não vai durar por muito tempo, talvez por apenas alguns momentos. Hodges, aparentemente, mantém a mesma opinião.
O que faz ranger de dentes realmente significa?
O Termo Inglês
No dicionário original de Webster, Webster definiu o verbo "ranger", como "a moer os dentes, a raiva até a colisão com os dentes, a rosnar." Webster definiu o substantivo "ranger" da seguinte forma: ".. Impressionante os dentes juntos, como em raiva, ódio ou dor A moagem ou bater dos dentes de raiva ou angústia"
Deve-se notar que Webster não diz nada de tristeza ou remorso ou arrependimento. Para ele, o termo significava raiva, raiva, dor ou angústia.
Um moderno dicionário Inglês, Dicionário Universal de Webster New Unabridged, define o termo como segue: "para moer ou bater os dentes juntos, uma moagem ou ralar junto dos dentes de raiva ou angústia."
O Dicionário de Inglês Oxford (Vol. IV, p. 244) define o "ranger" da seguinte forma: "a greve em conjunto ou 'moer' os dentes, esp de raiva ou angústia, para atacar os dentes juntos, como de raiva ou angústia.".
A Encarta Dicionário Inglês Mundial (1999) define "ranger", como "a moer os dentes juntos, especialmente na dor, raiva ou frustração."
Nenhum destes dicionários Inglês indicam que a palavra carrega a idéia de tristeza ou arrependimento ou remorso ou tristeza.
Um amigo meu tentou testar essas definições. Aqui está a reportagem: "Você já viu alguém rangem os dentes de dor, tristeza, arrependimento, remorso, eu apenas tentei fazer algumas expressões faciais como se eu estivesse passando por algumas dessas emoções, rangendo os dentes e simplesmente não se encaixa? . Mas a raiva, raiva, dor, ódio se encaixam perfeitamente. "
O termo grego
Verbo - substantivo brucw - brugmos
Como é que os léxicos gregos definem o termo grego?
Um Léxico Grego-Inglês do Novo Testamento por Bauer, Arndt e Gingrich define ranger como "um sinal de raiva violenta." Ele também menciona que era um termo para descrever a vibração dos dentes em calafrios e febre.
Dicionário Expositivo de Vine Palavras do Novo Testamento a define da seguinte maneira: "Principalmente para morder ou comer avidamente (semelhante ao bruko, para mastigar), denota a moer ou ranger com os dentes."
Lexicon Inglês Grego por Liddell e Scott mencionar que ele é usado de bramido de um leão (Provérbios 19:12, um uso que discutiremos mais tarde). Ele também é usado de uma champing cavalo (mastigar, morder) a bit. Metaforicamente [que significa] rasgo em pedaços, devorar - de uma doença atroz.
O Dicionário Teológico do Novo Testamento (Volume 1, páginas 641-642) diz que a raiz deste termo foi usado "do grito de dor de um veado ferido mortalmente por mordedura de cobra." O artigo continua a dizer que o termo "ranger" foi usada 5 vezes na LXX "sempre como uma expressão de ódio" e em um só lugar (Jó 16:9) "está ligada com o desejo de destruir o adversário" ( p. 641). Um uso semelhante é encontrado em Atos 07:54, onde os judeus rangeram os dentes contra Estêvão: "Isso atesta o seu ódio e desejo de destruí-lo" (p. 641). No entanto, contrário a este uso claro na LXX e em Atos 7:54, o autor deste artigo (Rengstorf) diz que o "choro e ranger de dentes" passagens "simplesmente denotar remorso desesperador" (p. 642). No entanto, ele não dá razões para tal conclusão, exceto que o termo está relacionado com o "choro". Mas o remorso não é a única razão pela qual as pessoas chorar e lamentar. As pessoas também chorar e lamentar devido à dor e angústia e por muitas outras razões.
O Dicionário de Teologia do Novo Testamento (Volume 2, página 421) dá uma discussão sólida do uso dos termos "ranger" e "ranger" em Atos 7:54 e na LXX .. "O brygmos substantivo (ranger) sempre descreve a condição dos ímpios na vida futura .... Se é verdade que em muitos casos o uso de brycho (ranger) na expressão" para ranger os dentes "conota a raiva, o associação da palavra com klauthmos (chorando) ea figura do tormento que acompanha o termo em Mateus 13:42,50 parece indicar que o ranger dos dentes não é uma indicação de raiva, mas de extremo sofrimento e remorso. "
Utilização do Novo Testamento
E eu vos digo que muitos virão do leste e oeste, e deve sentar-se com Abraão, e Isaque, e Jacó, no reino dos céus. Mas os filhos do Reino serão lançados nas trevas exteriores: ali haverá choro e ranger de dentes (Mateus 8:11-12).
Ambos Dillow e Hodges ensinam que esses filhos do reino são salvas as pessoas (povo regenerado), que serão excluídos do reino salas de banquetes e não será permitida a reinar com Cristo. Em vez disso, irá experimentar tristeza e remorso e arrependimento grande para sua infidelidade que foi a causa da sua exclusão.
Mas a passagem realmente ensina que eles serão excluídos do reino inteiramente. O Senhor Jesus ficou maravilhado com a fé de um centurião gentio. Seu ponto era simplesmente que não haverá participação dos gentios no futuro reino, e haverá exclusão judaica no reino futuro. Muitos judeus que deveria estar lá não vai ser, e muitos gentios que não se poderia esperar para estar lá participarão plenamente. Os "filhos do reino" são judeus, aqueles que por todo o direito e privilégio devem ser os participantes do reino. Foi prometido a eles. Mas, sendo um judeu, por si só, não qualifica uma pessoa para o reino. Deve haver fé pessoal. E sendo um gentio não desqualifica uma pessoa. Se o gentio tem fé, ele também pode entrar no reino.
"Mas aqui os filhos incrédulos do reino, que são os judeus e os herdeiros naturais, são profetizado como sendo expulso, enquanto acreditando gentios tomar parte nele. O Senhor indica que como resultado de sua fé os gentios terá uma parte definida no reino vindouro. entrada no reino de judeus e gentios é contingente sobre a base espiritual da fé em Jesus o Messias. " - Stanley D. Toussaint (Eis o Rei: Um Estudo de Mateus, p. 124)
"Sons do reino" refere-se ao povo da aliança terrestre de Israel - que incluem tanto crentes e não crentes - a quem, como uma nação (não como indivíduos), o glorioso reino prometido terreno foi pactuado, incondicionalmente e eternamente. E neste versículo em particular, aqueles que são lançados nas trevas exteriores (nunca e, assim, entrar nesse reino) são os incrédulos "{} judeus filhos do reino." - James Ventilato
Fé como este gentio havia demonstrado seria duplicada várias vezes por outros gentios, para Cristo acrescentou: "Muitos virão do oriente e do ocidente, e tomarão seus lugares na festa" (v.11). Por isso Ele se referia aos gentios, que se juntaria com "Abraão, Isaac e Jacó no reino dos céus." Mas, para além da fé em Cristo nenhum dos descendentes físicos de Abraão poderia ter uma parte no reino. Aqueles que ouviram a oferta reino e, em seguida, rejeitou a pessoa do Rei, assim, excluído-se do reino. Serão relegados às trevas para sempre (v.12). - J. Dwight Pentecost, as palavras e obras de Jesus Cristo, p. 191.
Cristo prevê que os "filhos do Reino serão lançados nas trevas exteriores." Esta não é a primeira vez em Mateus que um aviso do julgamento é dirigida contra os israelitas incrédulos. Em 3:11-12 Cristo profetizou de uma purga do joio do trigo por "fogo inextinguível", e Ele vai repetir isso em Mateus 22:24-25. Não é de surpreender então, que Ele usa essa ocasião da cura o servo do centurião como um lembrete de que Israel deve se voltar para Ele como Messias / Rei ou enfrentar este julgamento severo com seu castigo eterno. - Dr. Thomas O. Figart, O Rei do Reino do Céu - Um Comentário de Mateus, p. 162.
Ele foi em vão à procura de fé em Israel. Fé como esta entrada feita em Seu reino possível, independentemente da residência nacional, racial ou geográfica (o Oriente eo Ocidente). Comer em um banquete, muitas vezes retratado estar no reino (compare Isa 25:6;. Matt 22:1-14;. Lucas 14,15-24). Mas aqueles que pensavam que iriam ganhar a entrada automaticamente por causa de suas origens religiosas (que se consideravam súditos [lit, "filhos"] do reino) não encontraria entrada (Mateus 8:12). Em vez disso, seria lançado no julgamento (lançados para fora, na escuridão;. Cf 22:13). - Comentário do Conhecimento Bíblico, p. 37.
Assim, Jesus anuncia que o seu reino messiânico será apreciado por muitos que não são judeus .... Os filhos (ou filhos) do reino, os judeus, que eram os destinatários das profecias e, portanto, os herdeiros original, está aqui a dizer que sem raça verdadeira fé não é mera condição suficiente para o reino de Cristo. - Homer Kent Jr., The Wycliffe Bible Commentary, p. 942.

segunda-feira, outubro 10

“PPor que Jesus ia a festas? Se ele frequentava tais lugares, também posso…


Quando Cristo ia a uma festa, além de participar de uma diversão saudável, tinha um propósito bem definido: falar do amor e perdão de Deus (propósito evangelístico). Ele esteve numa festa de casamento (João 2:1-12) para fazer o Seu primeiro milagre e mostrar o quanto valoriza tal instituição. Não creio que essas sejam as motivações das pessoas em nossos dias…
Na época de Jesus, o máximo que havia numa festa era o vinho (as pessoas estavam no processo de reeducação. Deus nunca foi a favor do uso de bebidas alcoólicas – ler Provérbios 20:1; 23:29-35; Efésios 5:18, etc). Alguns ficavam bêbados, mas, nunca drogados pelo uso da maconha, cocaína, LSD, craque…
Devemos levar em conta que a música existente nas festas – com o seu alto volume – tira a pessoa do seu estado mental natural. Além disso, as influências negativas, e especialmente sensuais nas quais podemos nos envolver se formos a uma boate, nos mostra que seria imprudente usarmos o argumento de que Jesus foi a uma festa para irmos numa “balada”, por exemplo.
Todos esses fatores nos mostram que é praticamente impossível pregar numa festa nos dias de hoje (claro, há milagres).
Reconheço que há ocasiões que até numa reunião de jovens cristãos pode haver mais escárnio do que numa festa de São João no bairro da vizinhança. Por isso, creio que individualmente devemos pedir a orientação do Espírito Santo para encontrar o equilíbrio. Acima de tudo, decidirmos nos afastar do pecado e daqueles que amam as práticas pecaminosas (sem deixar de falar do amor de Deus a eles):
“Bem-aventurado o homem que não anda no conselho dos ímpios, não se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores. Antes, o seu prazer está na lei do SENHOR, e na sua lei medita de dia e de noite. Ele é como árvore plantada junto a corrente de águas, que, no devido tempo, dá o seu fruto, e cuja folhagem não murcha; e tudo quanto ele faz será bem sucedido. Os ímpios não são assim; são, porém, como a palha que o vento dispersa. Por isso, os perversos não prevalecerão no juízo, nem os pecadores, na congregação dos justos. Pois o SENHOR conhece o caminho dos justos, mas o caminho dos ímpios perecerá.” Salmo 1:1-6.
Deus lhe ilumine,

Deus mandou matar pessoas inocentes? 2 Samuel 21

Deus mandou matar pessoas inocentes? 2 Samuel 21

É difícil entender a Bíblia. Por que os descendentes de Saul foram mortos sendo que eles nada tinham a ver com a maldade dele?
Realmente há na Bíblia textos mais difíceis de serem entendidos em sua plenitude. Isso não significa que a mensagem central não possa ser compreendida, mas apenas demonstra a nossa limitação humana para penetrarmos os segredos de Deus. Também devemos considerar o fato de o pensamento hebraico e sua forma de se expressar serem diferentes – o que contribui para que certos textos pareçam obscuros.
No caso de 2 Samuel 21 podemos entender algo sobre o capítulo se analisarmos o mandamento de Deus em Deuteronômio 24:16 onde Ele diz: “Os pais não serão mortos em lugar dos filhos, nem os filhos, em lugar dos pais; cada qual será morto pelo seu pecado.” Perceba que o próprio Deus havia ordenado que, ao executar um criminoso, o povo jamais castigasse os descendentes dele.
Então, por que o Senhor autorizou que sete descendentes de Saul fossem mortos por causa da atitude criminosa dele para com os Gibeonitas?
Na verdade, quando lemos o verso 3 percebemos que dessa vez Davi não consultou o Senhor com havia feito antes (v. 1), mas sim os Gibeonitas. E, motivados pela ira e, quem sabe, baseados no fato registrado em Números 25:4, eles tenham entendido que a ira de Deus seria aplacada se os descendentes de Saul fossem mortos e pendurados.
Quando o verso 14 afirma que “Depois disto, Deus se tornou favorável para com a terra” ele expressa a visão de mundo do profeta. O escritor de 2 Samuel percebeu que depois de tal evento a maldição cessou – sem que isso signifique que Deus tenha apoiado o ato de Davi e dos Gibeonitas.
Nosso Criador teria outra forma de vingar os Gibeonitas. Mas, como o povo agiu dessa vez sem consultar ao Eterno, Ele permitiu que tal ação pecaminosa e injusta seguisse seu curso normal, pois, faz parte de Sua soberania dar o livre-arbítrio. Ele permite que coisas ruins aconteçam por que no conflito entre o bem e o mal Ele utiliza tais circunstâncias (que Ele não gosta) para mostrar ao universo a gravidade do pecado.
Podemos ver que Deus não apresentou a Davi essa “solução” para o problema. Quem fez foi o povo que queria vingança. O Senhor não poderia ir contra ao que Ele mesmo havia ensinado em Deuteronômio 24:16.
Espero que essas considerações lhe tenham sido úteis. Creio que todos os motivos para Deus permitir tal ato (mesmo Ele não consentindo) nos serão apresentados apenas quando estivermos com Cristo em Sua Segunda Vinda. Enquanto aguardamos este momento maravilhoso podemos viver confiantes de que o “justo juiz” (Gn 18:25) esclarecerá essa e outras questões da vida que nos incomodam (1Co 13:12; Hb 8:11).
Deus lhe abençoe ricamente,

A Divindade de Cristo no evangelho de João


Fonte: Programa ‘Na Mira da Verdade’

A DIVINDADE DE CRISTO NO EVANGELHO DE JOÃO
Historicamente, Cristo não foi “conclamado” divino só no Concílio de Nicéia. Muito antes daquela reunião que visava derrubar o arianismo, a Bíblia e os cristãos primitivos já acreditavam na Divindade do Salvador. Isso pode ser provado bíblica e historicamente:
I – O evangelho de João e a Divindade de Cristo
No presente irei me deter apenas ao evangelho de João para provar que Cristo é Divino. As informações de outros autores bíblicos poderemos estudar noutra ocasião, se for necessário. Vamos ao estudo do que o apóstolo escreveu a respeito de Jesus:
1 – Contexto histórico
Para começar, é importante termos em mente que o objetivo do quarto evangelho, escrito no final do século I, foi defender a encarnação e a Divindade de Cristo diante (muito provavelmente) do gnosticismo. O apóstolo queria que as pessoas acreditassem em Jesus como Filho de Deus para que fossem salvas (João 20:30, 31). Interessante que, na linguagem Joanina, o termo “Filho de Deus” não significa “ser criado” e nem denota “inferioridade”; para o autor, o título “Filho de Deus” significa igualdade com o Pai na Divindade. Isso é bem claro em João 5:18; 19:7 e na primeira carta dele, cap. 5:20, onde Ele chama Jesus de DEUS: “Também sabemos que o Filho de Deus é vindo e nos tem dado entendimento para reconhecermos o verdadeiro; e estamos no verdadeiro, em seu Filho, Jesus Cristo. Este é o verdadeiro Deus e a vida eterna.” Perceba que se quisermos entender um termo bíblico, não podemos interpretá-lo de acordo com o significado da língua portuguesa; precisamos levar em conta a língua original em que o texto foi escrito (grego, hebraico ou aramaico) e o significado de qualquer expressão NA CULTURA em que ela está inserida. Portanto, o termo “Filho” na Bíblia, em referência à Cristo, não tem o mesmo significado que em nossa cultura portuguesa e ocidental.
Como disse o Dr. F.F. Bruce, “João conferiu a máxima importância à verdade eterna, que ele identificou com a auto-manifestação divina, o Verbo que existia no princípio com Deus”. (BRUCE. João – Introdução e Comentário [Série Cultura Bíblica]. Vida Nova, 2002). Isso está em harmonia com João 1:1-4 e 14. Se Jesus não fosse DEUS com o Pai, não haveria necessidade de João dizer que Jesus é o Deus que revelou o Pai, por meio da encarnação (leia os textos de João 1:1-4 e 14). E, além disso, se Cristo fosse uma criatura, a salvação por meio Jesus, no evangelho de João (e no restante da Bíblia) perderia o valor. Sim, pois o valor da salvação está no fato de que não foi uma criatura quem veio salvar o ser humano, mas o próprio Deus esteve aqui em carne para solucionar o nosso problema. É por isso que Jesus Cristo é chamado em Isaías 7:14 de “Emanuel”, que significa “Deus conosco”. Deus “não tirou o corpo fora”; Ele mesmo veio resolver o problema do pecado! Reflita nisso com carinho.
Estas informações são importantes porque assim conseguimos entrar um pouco na mente do autor inspirado quando preparou o relato da vida de Cristo.
2 – Textos de João que afirmam diretamente que Jesus é Deus eterno
• João 1:1-3 e 14 – é dito que Jesus era Deus desde o princípio, estava com Deus e que criou TODAS AS COISAS com Ele (se fosse uma criatura, como poderia ser o criador DELE MESMO, sendo que TUDO foi feito por meio dEle? – verso 3). Também, nos é apresentado que este DEUS, que esteve com o Pai desde o princípio, encarnou para nos salvar.
• João 1:15 – Jesus é pré-existente;
• João 1:18 – Jesus é “Deus Unigênito” que torna o Pai conhecido;
• João 1:23 – texto muito forte, pois faz menção a Isaías 40:3, onde é dito que alguém prepararia o caminho para a vinda de “Jeová”. João Batista preparou o caminho de Jesus, indicando assim que Jeová de Isaías 40:3 é Cristo!
• João 1:29, 30 – Cristo é o cordeiro que tira o pecado do mundo e que já existia antes de vir a este planeta (pré-existência);
• João 1:34 – o apóstolo dá testemunho de que Cristo é o “Filho de Deus” (lembre-se que “Filho”, na linguagem de João, significa igualdade – ver João 5:18; 19:7);
• João 1:47-49 – Natanael claramente reconhece que Jesus é o “Filho de Deus”, indicando assim que acreditava ser Ele DEUS;
• João 1:50 – Jesus afirma que os discípulos verão os anjos voltando a este mundo com Ele – o criador dos anjos;
• João 2:11 – o primeiro milagre de Cristo, onde ele transforma água em “vinho” (suco de uva – Isaías 65:8) serviu para que vários discípulos cressem no poder glorioso dEle;
• João 3:15, 16 – Quem crer em Jesus tem a vida eterna. Só Deus pode dar a vida eterna a alguém por crer nEle, não numa criatura (não faria sentido algum!).
Em Atos 3:15, Cristo é chamado de autor da vida. Como Alguém que é “Autor da Vida” poderia ser uma criatura? Impossível!
• João 3:36 – quem não crer que Jesus é o “Filho de Deus”, ou seja: quem não acreditar na Divindade de Cristo e não O aceitar como Salvador e Deus, irá se perder;
• João 5:17, 18 – Quando Jesus afirmou que Deus era o Pai dEle, os judeus quiseram mata-Lo porque entenderam que o termo “Filho” significa igualdade em Divindade. Se o Salvador estivesse dizendo que era uma “criatura”, não seria acusado de “blasfêmia”. Portanto, para o apóstolo João, blasfêmia é alguém afirmar que Cristo não é Deus, sendo que no seu livro ele relata 8 milagres (além de outros acontecimentos sobrenaturais) com o objetivo de provar que o Salvador é Divino!

A Divindade de Cristo no evangelho de João – Parte 2


• João 5:21 – Jesus afirma que tem o mesmo poder que o Pai para ressuscitar, dar a vida!
• João 5:22 – Cristo é o juiz da humanidade – só Deus pode ser “Justo Juiz”: “Deus é justo juiz…” Salmo 7:11.
• João 5:23 – A mesma honra que é atribuída a Deus o Pai, deve ser atribuída ao Filho, por também ser Divino!
• João 5:26 – Cristo tem vida em si mesmo, do mesmo modo que o Pai*;
• João 5:28, 29 – Jesus é quem irá ressuscitar os mortos. Isso é feito por Deus, o que cria a vida!
• João 5:40 – É preciso ir ao Salvador para ter a vida eterna, pois Ele é a fonte;
• João 5:33, 35, 40, 50 – Jesus é o “pão da vida”, a fonte de vida para todo o que crer nEle como Senhor, Salvador e Deus;
• João 5:46 – Jesus afirma que “veio de Deus” e que “viu” a Deus;
• João 6:64 – Cristo é onisciente – característica essa totalmente Divina! (ver também João 18:4);
• João 6:68, 69 – Pedro confessou pela fé que Cristo era o “Santo de Deus” e não “a criatura de Deus”;
• João 7:46 – os guardas do templo, que haviam sido designados para prender a Jesus, não conseguiram fazer isso de imediato porque viram nEle algo de sobrenatural nas palavras que dizia;
• João 8:12 – Cristo é a “luz do mundo”. Por aceitarmos essa Luz Divina em nossas vidas podemos transmiti-La a outros (Mateus 5:13, 14);
• João 8:23 – O Salvador diz que não é desse mundo, mas de outro. E afirma com clareza no verso 24 que quem não crer em Quem Ele é, irá morrer nos próprios pecados;
• João 8:36 – Cristo é o que liberta o ser humano do pecado. Característica de um ser Divino, pois o grave problema do pecado não pode ser resolvido por uma criatura;
• João 8:44 – Jesus demonstra conhecer o diabo “desde o princípio”. Para isso, Ele teria que ter sido o Criador do anjo caído (que havia sido criado perfeito, segundo Ezequiel 28:15).
• João 8:57-59 – esta de declaração do próprio Cristo é fantástica. Ele diz ser o “Eu Sou”** de Êxodo 3:14! Se auto-intitulou “Jeová” de modo que os judeus quiseram O apedrejar. Acreditamos no que Jesus disse sobre Si (que Ele era Deus) ou O rejeitamos completamente. Ele foi um Deus-homem que falou a verdade ou um lunático. Não há como ficar no meio termo!
• João 9:17 – testemunhas oculares viram os sinais miraculosos de Jesus;
• João 9:38- Jesus foi adorado e não rejeitou tal adoração!
• João 10:11 – Cristo afirma ser o Deus PASTOR mencionado no Salmo 23 e em Apocalipse 7:17! Como negar uma verdade tão clara?
• João 10:18 – Cristo disse que espontaneamente deu a vida dele e que tinha poder para reassumi-la. Tem que ser Divino para ter um poder desses;
• João 10:28, 30, 31, 33 – Cristo afirma que Ele e o Pai são uma unidade e, o fato de os judeus quererem O apedrejar, demonstra que com essa declaração o Salvador estava se fazendo IGUAL a Deus Pai em Divindade;
• João 10:39 – Cristo diz que o Pai estava nEle e Ele, no Pai, ensinando assim que eles são UM em UNIDADE. Os judeus quiseram O apedrejar novamente por blasfêmia;
• João 11:25 – Cristo afirma ser a fonte de vida;
• João 11:43, 44 – Jesus ressuscita um morto com Sua palavra de ordem (não como o fez Elias, que pediu a Deus), indicando que tinha autoridade Divina para dar a vida. Não é por acaso que Atos 3:15 chama-O de autor da vida!
• João 12:45 – Ver a Jesus é mesmo que ver a Deus Pai, pois são UM em Unidade (não em personalidade);
• João 14:1 – Cristo pede que as pessoas creiam em Deus e também nEle. O texto perderia o sentido se Ele fosse uma criatura: “creiam no Criador e em mim, a criatura”;
• João 14:3 – Ele promete voltar em glória e majestade. Sendo o Juiz de toda a humanidade (João 5:22), Ele é Deus (Salmo 7:11);
• João 14:6 – Cristo ensina que é o caminho, a verdade e a vida. O Salmo 36:9 nos mostra que Deus é a fonte de vida! Portanto, Cristo é identificado como Deus, autor da existência;
• João 14:9, 10 – Ver a Cristo é o mesmo que ver o Pai. Se Ele fosse um ser criado, o Pai estaria sendo igualado a uma criatura – atitude blasfema;
• João 14:13, 14 – Cristo atende orações. Um ser criado ou anjo não poderia fazer isso;
• João 16:27 – Deus ama quem acredita que Jesus não foi um simples homem, mas que veio de Deus;
• João 17:3 – Jesus disse que nossa vida eterna depende do correto conhecimento que temos de Deus (Pai e Espírito Santo) e dEle também!
• João 17:5 – Cristo já era um Deus glorioso antes de existir o mundo;
• João 18:6 – Quando o Salvador disse quem era Ele, os soldados que iriam O prender caíram por causa da autoridade divina que estava em Suas palavras!
• João 19:7 – novamente Jesus é acusado de “blasfêmia” porque a si mesmo se fez IGUAL a Deus (por se intitular como “Filho”);
• João 19:37 – Compare este texto com Zacarias 12:4, 10 onde é profetizado que DEUS seria traspassado. João chama Jesus de “Jeová” sem deixar margem para dúvidas!
• João 20:28 – Tomé, um judeu, reconheceu a Divindade de Cristo ao chamá-Lo de “Deus meu”. E Tomé não foi considerado um idólatra por adorar a Cristo.
Após analisarmos todos esses textos, haverá alguem tão ousado a ponto de negar a Divindade de Jesus Cristo?
Não mencionei nessa listagem as evidências do evangelho de João de que o Espírito Santo também é uma Pessoa Divina. Farei isso noutra ocasião.
A listagem de textos que lhe apresentei é suficiente para crer que Jesus é Deus e Salvador de todo aquele que nEle crer e O aceitar. Ele lhe convida em Apocalipse 3:20: “Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com ele, e ele, comigo.” E promete em João 6:37: “Todo aquele que o Pai me dá, esse virá a mim; e o que vem a mim, de modo nenhum o lançarei fora.”
Notas:
* Quando é dito que o Pai “concedeu” ao Filho o ter vida em Si mesmo, isso não se dá no aspecto Divino, pois, Cristo é Deus tão quanto o Pai, segundo Colossenses 2:9. Essa “concessão” de ter a eternidade é no aspecto da encarnação, pois Cristo, enquanto encarnado, era inferior ao Pai apenas funcionalmente. Por Cristo ter encarnado, Ele se subordinou ao Pai em funcionalmente no plano de salvação.
** Com este “nome” EU SOU Jesus está destacando sua TERNIDADE: “Eu Sou” significa que Ele é o mesmo no PASSADO, no PRESENTE e no FUTURO. Além disso, dessa expressão deriva o nome sagrado de Deus, representado pelo tetragrama YHVH, reforçando a idéia de que Jesus disse ser DEUS.

A Divindade de Cristo no evangelho de João – Parte 3

3 – As declarações de Jesus em João 20:17 e 10:34, 35
Aqui faremos uso da exegese (aplicar as regras da hermenêutica) para entendermos os textos bíblicos. E uma dessas regras é analisar o contexto interno do texto bem como alguma referência paralela que trate do mesmo assunto.
Em João 20:17, Jesus chama o Pai de Deus. Isso em nada diminui a Divindade do Salvador do mesmo modo que de Deus Pai não deixa de ser Deus ao chamar a Cristo de Deus (analisaremos depois Hebreus 1:8).
Já o texto de João 10:34, 35 precisa ser interpretado, como disse anteriormente, levando-se em conta o contexto interno do livro e texto (s) paralelo (s). Quando vamos à Bíblia descobrimos que a palavra plural “deuses” com letra minúscula era aplicada aos juízes humanos por eles serem representantes de Deus, o Juiz Supremo. E o Salmo 82:6, texto paralelo, comprova isso: “Eu disse: sois deuses, sois todos filhos do Altíssimo.” Leia o contexto (versos 1-5) e veja que neste Salmo Deus está pronunciando um castigo sobre os juizes corruptos!
Portanto, Cristo não estava dizendo que os líderes judeus eram “deuses” com essência divina, mas estava usando um termo que eles conheciam para defender as próprias declarações de que era Deus. Prova de que o Salvador não estava menosprezando a própria divindade em João 10:34, 35 encontramos no mesmo capítulo, nos versos 38 e 39: “mas, se faço, e não me credes, crede nas obras; para que possais saber e compreender que o Pai está em mim, e eu estou no Pai. Nesse ponto, procuravam, outra vez, prendê-lo; mas ele se livrou das suas mãos.” João 10:38-39. Os judeus entenderam bem que Cristo, em outras declarações do mesmo capítulo, estava se auto-intitulando Divino.
4 – O que Deus Pai disse sobre Jesus
1) O Pai chamou Jesus de DEUS! “Mas acerca do Filho: O teu trono, ó Deus, é para todo o sempre; e: Cetro de eqüidade é o cetro do seu reino.” Hebreus 1:8. Perceba que Hebreus 1:8, 9 é uma citação do Salmo 45:6, 7, que fala de “Jeová” (ou “Javé” – ninguém sabe ao certo a pronúncia do nome hebraico de Deus);
2) O Pai disse que Jesus também era “Jeová” como Ele, Criador de todas as coisas! “Ainda: No princípio, Senhor, lançaste os fundamentos da terra, e os céus são obra das tuas mãos; eles perecerão; tu, porém, permaneces; sim, todos eles envelhecerão qual veste; também, qual manto, os enrolarás, e, como vestes, serão igualmente mudados; tu, porém, és o mesmo, e os teus anos jamais terão fim.” Hebreus 1:10-12.
Analise também que o autor de Hebreus 1:10-12 aplicou a Jesus o Salmo 102:25-27, que se refere ao Deus do Antigo Testamento! Compare os dois textos depois de ler este Salmo: “Em tempos remotos, lançaste os fundamentos da terra; e os céus são obra das tuas mãos. Eles perecerão, mas tu permaneces; todos eles envelhecerão como uma veste, como roupa os mudarás, e serão mudados. Tu, porém, és sempre o mesmo, e os teus anos jamais terão fim.”
3) O Pai afirmou que Jesus deve ser adorado: “E, novamente, ao introduzir o Primogênito no mundo, diz: E todos os anjos de Deus o adorem.” Hebreus 1:6.
4) O Pai disse que amava a Jesus: “E eis uma voz dos céus, que dizia: Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo.” Mateus 3:17.
Concluindo: se formos obedientes ao Pai, chamaremos Jesus de Deus, assim como Deus Pai o faz. E ainda seguiremos a ordem dEle de adorar a Jesus!
Estude com carinho tudo o que lhe escrevi e enviei, amigo(a). Estarei com o coração aberto as suas colocações e para eventuais evidências bíblicas ou históricas que possua que refutem o que lhe apresentei.
Deixo-lhe um texto bíblico para sua reflexão:
“Atendei por vós e por todo o rebanho sobre o qual o Espírito Santo vos constituiu bispos, para pastoreardes a igreja de Deus [Jesus!], a qual ele [Jesus!] comprou com o seu próprio sangue [Jesus!].” Atos 20:28.