CURRICULO PESSOAL

Minha foto

M.Div
Ph.D Teologia
Psicanalista Clinico (estag)
Escritor - 21 livros publicados
Master-trainer PNL

POSTAGENS

Postagens populares

quarta-feira, dezembro 29

1 Coríntios 11:31-32


  
     1 Coríntios 11:31-32


(31)” Porque, se nós nos julgássemos a nós mesmos, não seríamos julgados. (32) Mas, quando somos julgados, somos repreendidos pelo Senhor, para que não sejamos condenados com o mundo.”
O versículo 31 nos ensina que Deus nos dá a oportunidade de exercer auto-disciplina e evitar o seu julgamento, observando-minuciosa análise de nós mesmos, detectar nossas falhas, e reconhecendo a nossa própria condição. No entanto, se deixarmos de exercer a disciplina, exercemos  o livre-arbítrio. Como no exemplo de Jonas, Ele é fiel e irá completar Seu propósito (Filipenses 1:6). Se falhamos, Ele disciplina e castiga a todos nós, porque Ele não quer nos ver destruídos. O propósito de Deus,é a  nossa salvação e Ele não muda. Novamente, a única variável é o quanto nós escolhemos a sofrer antes de cumprir o Seu propósito. Nós escolhemos se vamos ser humildes ou ser humilhados.

Em muitos casos, não necessariamente todos, nós escolhemos nossos ensaios. É a mesma coisa em qualquer família. Se um filho é obediente, e o outro é rebelde. Não será nenhuma surpresa que o filho desobediente sofrerá as maiores provas (ou recebe a maioria de disciplina), tanto em número e gravidade. Cada criança tem uma escolha. Nós também temos uma escolha para o exercício da disciplina agora, ou para recebê-lo de Deus, em algum momento no futuro.

Então, como nós exaustivamente examinar a nós mesmos, detectar nossas falhas, e reconhecer nossa própria condição? Como encontramos o caminho que devemos tomar? Deus nos promete em Provérbios 3:6: "Em todos os teus caminhos reconhecê-Lo, e Ele endireitará as tuas veredas." A mensagem, uma paráfrase, torna este verso como: "Ouça a voz de Deus em tudo que faz, onde quer que vá;. Ele é o único que irá mantê-lo no caminho".

Quando reconhecemos a Sua presença, Ele faz brilhar Sua luz sobre nossos pensamentos. Conscientemente, incluindo Deus no processo faz com que nossas escolhas, mais óbvias, sejam de um consciente obedecer .

Muitas vezes, não estamos exercitando a disciplina da Palavra, porque nós estamos nos escondendo da presença de Deus, assim como Adão e Eva fizeram (Gênesis 3:8). Podemos ouvir que "a voz mansa e delicada" (I Reis 19:12), mas nós apagamos  das nossas mentes e seguimos um fluxo, sem resistência seguindo os ditames da nossa natureza humana, que tem estado sob a influência de Satanás desde o nosso nascimento.

Essa tendência faz esforço para orar sempre, estar em constante contato com Deus, a melhor maneira de realizar o auto-exame eficaz. Ao comunicar com Deus antes de qualquer decisão, mesmo antes de todo pensamento (II Coríntios 10:5), nós o convidamos Deus para a situação, colocando os holofotes da verdade em nosso pensamento e as motivações pior pesadelo natureza-humano.

Com a presença de Deus através do Espírito Santo, somos capazes de reconhecer a nossa vergonha e nossa impotência diante de Deus, ajudando a criar uma maior consciência do pecado que não pode facilmente escapar, racionalizando-a. Quando face a face com o Deus santo, não podemos simplesmente dizer que o nosso pecado é apenas uma pequena coisa. Também não podemos usar os outros como exemplos, dizendo: "Eles estão fazendo isso, então qual é o problema?" Com Deus não existe, mesmo em frente de nós, todas as nossas desculpas falhar.

Uma vez que trazemos Deus para nossa vida, o caminho certo é mais óbvio, eliminando as muitas desculpas que a nossa natureza humana inventa para permitir a desobediência. Quando isso ocorre, é um bom momento para orar pela vontade e poder de fazer a coisa certa (Filipenses 2:1


Deus abençoe seus pensamentos

terça-feira, dezembro 28

Pr Paul Washer.. Lição sobre Missões..VIDEO


Comentário Biblico com 300 anos...VIDEO


joyce Meyer... Desfrutando da vida diária..VIDEO

Myles Monroe..a grande ideia de Deus 1..VIDEO

Paul washer....vc é amado e não pode fazer nada..VIDEO

Paul Washer..disciplina espiritual...VIDEO

Paul Washer Pregação surpreendente..VIDEO

Pastor ,Paul Washer...VIDEO

Moises recebe as Tábuas...VIDEO

Joyce Meyer.. Pense antes de falar...VIDEO

Quem foi Senaqueribe?...VIDEO

QUEM FOI SENAQUERIBE?


Senaqueribe, o pior pesadelo de Ezequias - ou será que foi o contrário?

Houve um homem na Bíblia que mudou a decisão de Deus. Isso mesmo. O Deus que não muda nem mente, teve que abrir uma exceção e voltar atrás na Sua decisão por causa de um homem.
Quando o rei Ezequias recebeu a notícia do homem de Deus que iria morrer da sua enfermidade, ele imediatamente recusou aquela palavra. Algo dentro dele rejeitou a idéia de morrer naqueles dias, com aquela enfermidade. “Sei que vou morrer um dia mas assim não, e agora não!”
A vergonha seria dupla: Um servo de Deus morrer doente (onde estava o “Senhor que te sara”?) e morrer no meio das ameaças de guerra do rei da Assíria.
A sua oração expressou um grito de injustiça. “Quer dizer Senhor que venho Te servindo todos esses anos para nada, para acabar assim?” Aquela oração tocou no mais profundo do coração de Deus e O fez mudar sua decisão. Acrescentou mais 15 anos à vida de Ezequias e prometeu livrá-lo do rei da Assíria. E o mais maravilhoso foi o que aconteceu em seguida. Tão simples como hoje apertamos a tecla “delete” no computador, Deus fez voltar o tempo em 45 minutos para “apagar” o que havia acontecido! Ou seja, não está mais aqui quem falou! “Ezequias, esquece o que Eu falei, isso nunca aconteceu.”
Isso mostra que ainda que alguém já tenha determinado a sua sina, VOCÊ pode sobrepujar aquela decisão tomando a SUA própria. Talvez o médico já decidiu o seu destino; o advogado deu a causa por perdida; sua família o carimbou como ovelha negra; o pastor desacreditou de você; o patrão lhe mandou embora; o marido não lhe quer mais...
Mas se VOCÊ decidir o que quer, e fizer o seu pacto com Deus, você pode mudar o seu destino. Você pode mudar qualquer coisa que parece já ter sido decidida para você. Use a sua fé, use o seu poder decisão.

O Chamado a ser imitador de Cristo no Altar

Logo depois de Saul tomou seu lugar no reino de Israel, ele desobedeceu o chamado de Deus.

Deus não teve outra escolha a não ser procurar uma substituição imediatamente. E, desta vez, Ele escokheria alguém que fosse mais parecido com Ele. Foi quando ele viu aquele jovem homem nas montanhas.

Davi era pastor e dos bons. Ele cuidava das ovelhas de seu pai todos os dias. Quando leões e ursos vinham sobre as ovelhas, ele os seguia e os matava. Não que Davi fosse alto e forte, ao contrário, ele era o menor na casa de seu pai. Davi não era sequer escolhido para ir à guerra com o restante de seus irmãos...

Muitas pessoas adorariam ser chamadas por Deus para Sua Obra no Altar. Eles são ansiosos e muitas vezes até indiferentes a tudo mais que aconteça em suas vidas. Eles querem servir a Deus, mas não sabem por que está demorando tanto. Como isso aconteceu a Davi?

Primeiramente, Deus estava olhando, o que ainda acontece hoje em dia. Em segundo lugar, Davi não era capaz aos olhos da maioria das pessoas (até mesmo de seu pai). Isso é confortante porque o velho ditado de que "o importante é o que está dentro de nós" ainda é válido, pelo menos para Deus. E, em terceiro lugar, que é onde a maioria das pessoas falha, Davi era bom no que fazia.

Davi não era apenas mais um pastor inativo nas montanhas, cuidando de alguma ovelha preguiçosa numa rotina monótona. Davi as amava o suficiente para dar a vida por elas. Enquanto seus irmãos não podiam cuidar pior das ovelhas de seu pai, Davi se esforçava para estar com elas, progendo-as dos predadores, e cuidando delas como se fossem dele. Eu acredito que esta seja uma das principais razões que atraíram o olhar de Deus para Davi. Davi tinha o jeito de Deus de fazer as coisas!

É nas pequenas coisas que fazemos e dizemos, que mostramos quem realmente somos. Se você quer servir a Deus no Altar e enquanto isso não acontece você não ama o que faz, puxe uma cadeira e sente-se. Ou, melhor ainda, esqueça!

Como Deus pode confiar em você para servi-Lo na surpreendente Obra quando você não consegue servir nem a seu chefe humano? Como você pode obedecer a Deus em tudo quando você não consegue obedecer nem a seus pais? Como você pode respeitar a Deus quando você não consegue respeitar nem a seus professores?

Se você quiser ser chamado, então, esteja apto ao chamado de Deus.

Deus vai chamar apenas aqueles a quem Ele aceitar. Não é porque você quer servir a Deus que Ele ele te usará. Ou porque a Obra de Deus precisa de você que você será chamado.

Com Deus é tudo ou nada. Ou você é tudo que diz ser ou não é. Ou você vale ou não. Ou você é servo ou não é. Não há nenhum lugar entre esses dois extremos.

Por que minhas orações não são respondidas?

Por que minhas orações não são respondidas?



Há algumas coisas que dificultam a resposta às nossas orações.

Pedis e não recebeis, porque pedis mal, para esbanjardes em vossos prazeres. (Tiago 4:3)


Quando você pede algo de forma egoísta,você não está usando o Poder de Pedir corretamente. Muitas orações são egoístas. Você talvez peça coisas boas, as quais são da vontade de Deus lhe dar, mas o motivo da oração é totalmente errado. E assim a oração perde suas forças. O verdadeiro propósito da oração é que Deus seja glorificado na resposta. Se pedirmos algo simplesmente para que possamos usar para o nosso bel prazer ou para a nossa própria satisfação, nós, estamos pedindo errado e não devemos esperar receber o que pedimos. Isso explica porque muitas orações permanecem sem resposta.

Por exemplo, uma mulher ora pela conversão de seu marido. Isso certamente é uma coisa excelente de se pedir, mas algumas esposas têm um motivo egoísta nessa oração. Elas querem que seus maridos se convertam, pois assim eles irão se tornar maridos muito mais agradáveis de se conviver. Essa oração é puramente egoísta. Por que uma mulher desejaria a conversão de seu marido? Primeiro e acima de tudo, para que Deus seja glorificado; porque ela não pode suportar a idéia de que ele não está honrando a Deus com sua vida, e assim sua alma está sendo desperdiçada a serviço do mundo e do diabo.

Muitos pastores oram para multidões virem às suas igrejas. Isso certamente é algo bom de se pedir, e de acordo com a vontade de Deus, mas às vezes essas orações são puramente egoístas. Se o desejo é que a quantidade de membros aumente, de que sua igreja se destaque na sociedade, de que a igreja possa ter mais ofertas, ou que ele possa impressionar os líderes de sua igreja, então ele não deve esperar que Deus responda à essa oração. Por que devemos orar para que as pessoas venham à igreja? Para a glória de Deus, porque não podemos suportar a idéia de milhões de almas se perdendo; porque a Palavra de Deus está sendo anulada pela descrença das pessoas no mundo. Esse deve ser o motivo de nosso pedido.

Muitos dos que oram para o Espírito Santo também estão orando de forma egoísta. Eles oram para o Espírito Santo para que possam ser felizes, ou para que possam se livrar do estado de derrota em que suas vidas se encontram, ou para que possam ter poder como obreiros Cristãos, ou algum outro motivo puramente egoísta. Por que devemos orar para o Espírito Santo? Para que Deus já não seja mais desonrado pela baixa qualidade de nossa vida Cristã; para que Deus possa ser visto através de todos que nos olham; para que o nosso serviço a Ele possa ser eficaz.

Portanto, antes de pedir a Deus alguma coisa, pergunte a você mesmo: O que Deus irá receber respondendo a minha oração? O que há nela para Ele? Em seguida, ajuste os seus motivos de acordo.

Créditos:Bispo Renato Cardoso

Porque Deus permite injustiças?


Se esse por quê anda passeando pela sua mente, essa mensagem é pra você.

Gostaria de te convidar a meditar sobre o que Paulo disse em uma dessas situações de injustiça que Ele viveu, e de como Ele se manteve com bons olhos e fiel a Deus e ao seu chamado:

“Procura vir ter comigo depressa. Porque Demas tendo amado o presente século, me abandonou e foi para Tessalônica; Crescente foi para a Galácia, Tito para a Dalmácia. Somente Lucas está comigo. Toma contigo Marcos e traze-o, pois me é útil para o ministério...Quando vieres traz a capa que deixei em Trôade, em casa de Carpo, bem como os livros, especialmente os pergaminhos .Alexandre o latoeiro causou-me muitos males; o Senhor lhe dará a paga segundo as suas obras. Tu guarda-te também dele, porque resistiu fortemente às nossas palavras. Na minha primeira defesa, ninguém foi ao meu favor; antes todos me abandonaram. Que isto não lhes seja posto em conta! Mas o Senhor me assistiu e me revestiu de forças, para que, por meu intermédio, a pregação fosse plenamente cumprida, e todos os gentios a ouvissem; e fui libertado da boca do leão. O Senhor me livrará também de toda a obra maligna e me levará a salvo para o seu reino celestial. A ele, glória pelos séculos dos séculos. Amém! ” (II Carta de Paulo a Timóteo 4:9-18).

O Apóstolo Paulo estava preso, e previa sua morte, estava muito debilitado assim podemos imaginar suas condições físicas nos últimos momentos de sua vida. Ele conta nesses versículos o que lhe ocorreu quando foi preso: seus companheiros de obra lhe abandonaram, sim, inclusive Demas não apenas fugiu para outra cidade, mas ele amou o mundo (presente século), apenas um, Lucas permaneceu fiel a Deus junto à Paulo. E ele diz a Timóteo para quando vier a ele, trazer Marcos consigo, porque esse lhe era útil. Que bacana no mínimo Marcos era diferente para que Paulo solicitasse sua presença consigo.

Mesmo debilitado fisicamente e prevendo seus últimos dias de vida Paulo pediu a Timóteo que ao vir ter com ele não esquecesse dos livros e pergaminhos, sim ele sabia que seu espírito precisava estar forte, e por isso se preocupava com sua alimentação espiritual.

Infelizmente assim como Alexandre muitos continuam dando problemas na obra, e resistindo as palavras dadas pela direção do próprio Deus, vivendo na incredulidade, seguindo seus próprios conselhos e “achismos”.

Mesmo quando seus companheiros de obra lhe abandonaram e ninguém ficou a seu favor em sua primeira defesa, Paulo não queria que Deus levasse isso em consideração no Grande Dia, ele manteve seu coração limpo, porque ele sabia o que lhe estava preparado, Paulo conseguiu permanecer porque seu alvo não era terreno, ele aguardava com alegria a coroa que lhe estava proposta, mesmo a tantas dificuldades ele tinha um que nunca lhe abandonou o nosso Deus, que assistiu à ele e o fortaleceu para ganhar almas, é assim que permanecemos firmes, olhando para o sobrenatural, resistindo ao diabo, sim pois ele queria com toda essa situação fazer com que Paulo depois de tantas almas ganhas perdesse a sua, lhe sujando o coração e os olhos.

Mas Paulo sabia que se tão somente permanecesse guardando a fé teria sua salvação:

“Já agora a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, reto juiz, me dará naquele Dia; e não somente a mim, mas também a todos quantos amam a sua vinda.” (II Tm 4:8).

crd Savassi -

Porquê eu recebi e você não?

Estava lendo uma passagem na bíblia e resolvi compartilhar o que Deus falou comigo.
“...ignore a tua mão esquerda o que faz a tua mão direita, para que a tua esmola fique em secreto; e o teu Pai que vê em oculto te recompensará em público” Mateus 6:4




Às vezes vimos pessoas que ficam revoltadas porque seu colega recebe algo e ele não, e fica julgando a vida do outro dizendo que este não passou dificuldade ou “fulano é pior do que eu como ele tem e eu não?!”

A verdade é que Deus não vê como o homem vê, o homem vê o que parece ser, Deus vê o que realmente é, como vamos saber o que fulano ou ciclano têm feito para Deus ou mais, o que têm sido para Deus, quem pensamos que somos para julgar o outro? Para achar que sabemos o que o outro deve receber de Deus ou não?!

A explicação está na palavra do Senhor que disse que recompensaria em PÚBLICO, aquilo que alguém fizesse em secreto,ou seja, em secreto quer dizer que ninguém viu, mas a recompensa veio em público e aí está a explicação para aqueles que não entendem e que deveriam estar preocupados em serem aprovados por Deus e não preocupados com a vida dos outros.

Que Deus lhe abençõe!

segunda-feira, dezembro 27

Bençãos e Maldições

Maldição


“Não as adorarás, nem lhes darás culto; porque eu sou o Senhor teu Deus, Deus zeloso, que visito a iniqüidade dos pais nos filhos até a terceira e quarta geração daqueles que me aborrecem,...” ( Ex. 20:5 ).
“Aqueles que dentre vós ficarem serão consumidos pela sua iniqüidade nas terras dos vossos inimigos, e pela iniqüidade de seus pais com eles serão consumidos. Mas se confessarem a sua iniqüidade e a iniqüidade de seus pais, na infidelidade que cometeram contra mim; como também andaram contrariamente para comigo, pelo que também fui contrário a eles, e os fiz entrar na terra dos seus inimigos; se o seu coração incircunciso se humilhar, e tomarem por bem o castigo da sua iniqüidade, então me lembrarei da minha aliança com Jacó, e da terra me lembrarei”. ( Lv. 26:39-42 ).
“...porque está escrito escrito: Maldito todo aquele que não permanece em todas as cousas escritas no livro da lei, para pratica-las. Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se Ele próprio maldição em nosso lugar, porque está escrito: Maldito todo aquele que for pendurado em madeiro”. ( Gl. 3:10-13 ).

I – A HERANÇA DE NOSSOS PAIS

1-Biológica ( formação genética ) – Nariz, Cabelos, Olhos...
2-Psicológica ( formação familiar ) - Calmo, Agitado, Nervoso, Colérico...
3-Espiritual ( formação religiosa ) – Pastor, Cristão, Espírita, Católico...


II – ANÁLISE EXEGÉTICA: BÊNÇÃO E MALDIÇÃO

1 - Sentido da palavra “BÊNÇÃO”

Heb. Barak Abençoar quer dizer “Conceder poder para alcançar sucesso, prosperidade, fecundidade, longevidade, etc”

2 – Sentido da palavra “MALDIÇÃO”

( Dt. 29:12;14-21 ) Fala 35 vezes sobre a palavra maldição e o tipo de maldição que vem sobre alguém que quebra um juramento e por causa disso entra em maldição.

QALAL ( heb.)
Amaldiçoar significa: Rebaixar, Desprezar, Zombar, Ridicularizar, Difamar...
Golias amaldiçoou Davi ( I Sam. 17:43 )
Balaão foi chamado para amaldiçoar Israel ( Nm. 22:6 )
Hagar desprezava Sara “sua senhora” ( Gn. 16:4-5 )

ARAR ( heb.)

“Arar significa prender ( por encantamento ), cercar com obstáculos, deixar sem forças para resistir”

Gen. 3:14,17, “Maldito és mais do que todos os animais...”
Gen. 4:11, “Maldito por sobre a terra...”
Dt . 27:15-26, “Maldito...”
Gen. 12:3, “os que te amaldiçoarem (qalal – “proferir fórmula ), Eu os amaldiçoarei ( arar )”

III – CONTEXTO DA BÊNÇÃO E MALDIÇÃO

Dt. 11:26-32; 27,28
Tanto a bênção quanto a maldição devem ser entendidas no contexto da ‘aliança’. Em Dt. 27 e 28, Deus está fazendo uma aliança com o seu povo. A Bíblia em todo o seu conteúdo, mostra-nos que a forma de Deus relacionar-se conosco sempre foi através de alianças.
O que é uma ALIANÇA? “Uma promessa solene feita ligando duas ou mais pessoas, grupos, famílias, entidades, organizações, através de um juramento. Este juramento pode ser feito de uma forma verbal ou através de um ato simbólico. Esta forma de juramento tem que ser reconhecida por ambas as partes como ato formal que liga os envolvidos a cumprirem a sua promessa”
Conseqüentemente, a causa básica das maldições é a DESOBEDIÊNCIA.

IV – O QUE CARACTERIZA A MALDIÇÃO ?

Dt. 28:45,46, “Todas estas maldições ( qalal ) virão sobre ti... serão no vosso meio por sinal ( marca, selo, insígnia ) e por maravilha
( estupefação, perplexidade, susto, espanto ), como também entre a tua descendência para sempre”


Êxodo. 20:5, “Visito a iniqüidade dos pais nos filhos até a terceira e quarta geração”

Característica da maldição: REPETIÇÃO DE SINTOMAS
Exemplos: Prostituição, Divórcio, Violência, Alcoolismo, Abuso Sexual...
Na medida que uma maldição ( ou bênção ) se estabelecem, tendem a se transferir de geração a geração: Na vida individual, familiar, geográfica
( cidades e nações ), etc.
“O ponto importante é que uma vez enviada tanto a maldição quanto a bênção, tendem a continuar através dos tempos até serem revogadas e canceladas. Isto significa que podem haver forças que estejam operando, forças essas que foram movimentadas nas gerações prévias. Conseqüentemente podemos estar lidando com algo nas nossas vidas , que não aconteceram conosco, durante a nossa existência, mas tem uma origem longínqua, até centenas de anos atrás” (Neuza Itioka)

V – TIPOS DE MALDIÇÕES

1-Maldição Hereditária ( Êx. 20:5; 34:7; Nm. 14:18; Jr. 32:17,18

- “Até a terceira e quarta geração” – é uma frase tipicamente semita que indica continuidade e não deve ser tomada em sentido aritmético.
- Temos que entender que não somos os culpados pelos pecados dos nossos pais, mas podemos sofrer as conseqüências.
- “Espíritos Familiares” são demônios que penetram, geralmente nas raízes das famílias e, com o passar do tempo, trazem presos a si vários membros dessa família ao tipo de maldade que aquele demônio expressa. Ele é transmitido de geração a geração e o que faz torna-se uma característica da própria família em todas as gerações”.

2-Maldições de Terceiros ( Pv. 18:21; Tg. 3:6-10 )

- A morte e a vida estão no poder da língua, quem a ama comerá do seu fruto.
- Nossas palavras movimentam o mundo espiritual. As palavras são sementes que podem germinar vida ou morte. Como temos usado nossas palavras?.
-“A língua pode contaminar o corpo inteiro” – “Colocar em chamas toda a existência da carreira humana” ( Tg. 3:6-10 ).
“Deus ordenou a sociedade humana, numa maneira que haja relacionamentos entre pessoas onde uma em virtude do relacionamento, tenha autoridade sobre a outra. Assim como o marido tem autoridade sobre a esposa, pais têm autoridade sobre os filhos, professores têm autoridade sobre os alunos, o pastor têm autoridade sobre a congregação que está sob os seus cuidados”
Nomes podem revelar maldições- Walter Kaiser, “Phd”, diz que a palavra, nome ( heb.shem ) com origem no árabe, quer dizer: Assinalar, marcar com ferro quente.
“O nome escolhido para uma criança freqüentemente expressava os desejos e expectativas que os seus pais tinham por ela quando viesse a amadurecer. Isso fica evidente no processo de mudar o nome, por exemplo, quando Jacó se torna Israel ( Gn. 35:10 )
Abaixo temos uma serie de expressões que devem ser banidas do nosso vocabulário, pois as mesmas podem trazer morte espiritual e opressão sobre a vida de quem as lançarmos;

Imbecil, Canalha, Vadio, Burro, Jumento, Desgraçado, O diabo que te carregue, Vai pro inferno, Isso é mal de família, Esse menino é igual ao pai, Estou com as macacas ( quer dizer, estar possesso por demônios ), Doida varrida, Moleque ( é uma variação de Moloque ), Danado ( quer dizer, imundo, nas trevas ), Hoje é o meu dia de azar, Pobre nasceu pra sofrer, Estou com uma fome dos diabos, Um dia você me paga, Você vai se casar e o seu marido vai fazer a mesma coisa que o seu pai fez comigo, Seus filhos um dia farão o mesmo com você, Você vai passar fome, Você que se dane, etc.

3 – Maldição Auto-Imposta ( Sl 109:17 )

É quando alguém profere palavras ou frases que têm um sentido pernicioso e destruidor contra si mesmo. A auto-maldição reflete uma crise de identidade cristã e a falta de conhecimento bíblico acerca de quem somos em Cristo.
Eis alguns exemplos de auto-maldições:

Sou uma pessoa tão burra que fiz... Eu não sirvo para nada...
Como sou desastrado (a)... Vou morrer na miséria...
Eu sou um (a) imbecil... Como sou idiota...
Para mim nunca dá certo... Não Há ninguém mais desastrado...
Pobre nasceu pra sofrer... Meu corpo é horrível...
Não sou capaz de nada... Etc...


VII – PROPÓSITO DAS MALDIÇÕES ( GERAL )

1º Lugar: A maldição é a denúncia contra o pecado. ( Dt. 27:15-26 ).

2º Lugar: A maldição é o julgamento de Deus contra o pecado.
( Isaías. 24:5-6 ).

3º Lugar: Mostrar a conseqüência do pecado, ou seja, da quebra da nossa
aliança com Deus. ( Dt. 28:15-68 ).

4º Lugar: Demonstrar que o uso indevido e inconseqüente da língua pode trazer sérios prejuízos espirituais, sobretudo se estas palavras são proferidas por pessoas que possuem alguma autoridade sobre o outro. ( Tg 3:6-10 ).


VIII – INSTRUMENTOS DA MALDIÇÃO

01 – Homem e Mulher: São os portadores da autoridade de Deus na terra.
( II Cor. 5:20; Tg. 3:10; Jos. 6:26; Mt. 18:18 ).

02 – Pessoas com autoridade de parentesco: Pais, avós, tios e irmãos.
( Gn. 31:32; Ef. 6:2-4; 5:22-25 ).

03 – Autoridades civis, políticas, eclesiásticas em geral: ( Ef. 6:5-9;
Hb. 13:17; Êx. 18:13-27; Mt. 8:1-13; At. 23:5; Rm. 13:1-7 ).

04 – Médiuns e espíritas: ( Dt. 18:10 ).


IX – AS CAUSAS DAS MALDIÇÕES

1ª Causa: Idolatria e Ocultismo. ( Dt. 2:15; Êx. 20:1-5 ). Não é surpresa o
fato de serem, os primeiros da lista, pois as maldições mais fortes vem desses
pecados.

2ª Causa: Desonrar os pais. ( Dt. 27:16 ). Filhos que desprezam e se rebelam contra os seus pais, estão sob maldição. Derek Prince diz que: “nunca soube de alguém com atitudes erradas para com os pais que tenha vindo sobre ele a completa bênção de Deus.

3ª Causa: Toda forma de injustiça. ( Dt. 27:17-19, 24-25 ). - Injustiças como: Roubo de terra ( v.17 ); oprimir e desrespeitar o cego ( v. 18 ); o órfão, a viúva e o estrangeiro e pequenos em geral ( v. 19 ); homicídio ( v. 24-25 ); aborto, zombaria, agressões, etc.

4ª Causa: Sexo desnatural ( Dt. 27:20-23 ). – Adultério, incesto ( v. 22 ), bestialidade ( v. 21 ), fornicação, homossexualismo, lesbianismo, masturbação, etc. Marylin Hiclkey considera o pecado sexual como o pior.

5ª Causa: O homem que confia no homem ( Jr. 17:5-6 ) – Deixar de confiar em Deus para confiar no próprio braço.

6ª Causa: Roubo dos dízimos e das ofertas ( Mi. 3:8-10 ).

7ª Causa: Fazer a obra do Senhor relaxadamente ( Jr. 48:10 ).

8ª Causa: Maldições proferidas por pessoas investidas de autoridade ( Gn. 31:22-32; Rm. 13:1-7; Ef. 6:1-4 ).

9ª Causa: Maldição auto-imposta ( Mt. 15:11; Pv. 18:21).

10ª Causa: Maldições proferidas por representantes de satanás: Médiuns, feiticeiros, etc. ( Nm. 23:23; Dt. 18:10-12 ).

11ª Causa: Aliança com ímpios ( II Cor. 6:14-16 ) – Estar em aliança com pessoas que estão unidas com forças malignas.

12ª Causa: Desobediência generalizada ( Dt. 27:26 ) – As maldições vem quando desobedecemos a Deus. Esta é a causa principal


FUNDAMENTO BÍBLICO

IMPLICAÇÕES TEOLÓGICAS:

O que é uma ALIANÇA ?

“Uma promessa solene feita ligando através de um juramento, que pode ser uma fórmula verbal ou através de uma ação simbólica. Tal ação ou fórmula é reconhecida por ambas as partes como um ato formal que liga o ator a cumprir a sua promessa” ( Interpreter´s Dictionary of the Bible )

Aliança – ( berit ) – tratado, aliança de amizade, entre indivíduos, acordo ou trato; em uma obrigação entre um monarca e seus subordinados: Uma constituição; entre Deus e o homem: uma aliança acompanhada de sinais, sacrifícios e um juramento solene que selava o pacto com promessas de bênção para quem guardasse a aliança e de maldição para quem a quebrasse.

Alianças podem ser feitas com:

a)Deus ( Gn. 9:16; 15:18 )
b)Entre homens ( Gn. 21:27; 31:44 )
c)Entre nações – política ( Êx. 34:12; I Rs. 5:12 )
d)Entre homem e mulher – casamento ( Gn. 2:24; I Cor. 6:16-17 )
e)Com outros deuses – demônios ( Êx. 23:31-33; 34:12-16; Dt. 7:2-9 )


X – SINAIS EVIDENTES DE MALDIÇÃO

O Dr. Derek Prince, com sua extrema habilidade em ministrar palestras, enfocando este assunto, descreve os seguintes sintomas que podem identificar maldições nas famílias:

1)Esgotamento mental ou emocional.
2)Doenças repetidas ou crônicas, especialmente se são hereditárias, ou sem um diagnóstico médico claro.
3)Repetidos abortos ou problemas femininos.
4)Falência financeira contínua, especialmente se a renda é aparentemente suficiente.

Outros Sinais:

A Dra. Neuza Itioka no seu livro, Cristo nos Resgata de toda Maldição, apresenta ainda outros sintomas contemporâneos observados nas famílias.

Os homens ( ou as mulheres ) da família em geral, morrem numa determinada idade.

Mortes precoces repetidas e suicídios constantes.

Nenhuma das mulheres ( ou dos homens ) da família se casa, embora queiram se casar.

Todas as pessoas de uma mesma família são alcoólatras ou há casos repetidos de doenças que se estendem por várias gerações, principalmente doenças crônicas.

Problemas psicológicos e mentais, casos de esterilidade e tendências para abortos espontâneos e problemas ginecológicos.

Repetidos casos de divórcio, separações e acidentes freqüentes na fam


XI – MALDIÇÃO SEM CAUSA

“Como o pássaro que foge, como a andorinha no seu vôo, assim a maldição sem causa não se cumpre”. ( Pv. 26:2 )


XII – APROPRIANDO-SE DA QUEBRA DAS MALDIÇÕES


Gálatas 3:13 – “Cristo nos resgatou [gr. exegorasen – comprou para fora de] da maldição da lei, fazendo-se Ele próprio maldição em nosso lugar, porque está escrito: “Maldito todo aquele que for pendurado em madeiro”


Se Cristo nos resgatou da maldição, porque há sinais evidentes de maldições sobre muitos cristãos ???

Efésios 1:3 – “Bendito o Deus e pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que nos tem abençoado com toda a sorte de bênção espiritual nas regiões celestes em cristo”

Mateus 18:18 - “Em verdade vos digo que tudo o que ligardes na terra, terá sido ligado no céu, e tudo o que desligardes na terra, terá sido desligado no céu”.
18:19


NOVIDADE PARA SUA IGREJA. ACESSE:
http://bispoluissousa.blogspot.com/2010/12/apostilhas-para-pastores-para-pastores.html

quinta-feira, dezembro 23

Os 35 Milagres da Biblia

Comentando sobre o Evangelho de Marcos, uma vez o historiador sobre o século I, Robert Grant, afirmou, “é difícil achar qualquer grão não milagroso no Evangelho”. Dos 661 versículos que se encontram neste Evangelho, 209 tratam de milagres. Jesus não só pregou a chegada do reino de Deus como também a demonstrou através do ministério de cura, expulsão de demônios e outros milagres. Estes faziam parte normal do seu ministério (Mateus 4.23). Até os judeus mais hostis a Jesus reconheceram-no como operador milagroso de maravilhas e exorcista. Também Jesus deu aos seus doze discípulos a autoridade para realizar estas operações, como sinal e demonstração de que o reino estava próximo (Mateus 10.7), e fez o mesmo para com os setenta discípulos (Lucas 10.8-9). Estes sinais evidenciaram a chegada do reino e a vitória conseqüente sobre Satanás e seu poder (Mateus 11.22-28 par.).

Quando examinamos os momentos “críticos” ou “chaves” na história quando havia um avanço significante nos propósitos redentores de Deus, sempre encontramos a presença de sinais extraordinários. Por quê? Não tanto para o povo de Deus, quer seja Israel ou a igreja, mas para que o mundo, as nações saibam que Iahweh é o Deus verdadeiro e O glorifiquem. Qualquer outra motivação além deste testemunho bíblico deve levar a certa suspeita.

Portanto, os milagres servem a um propósito missionário. Dirigem-se ao mundo com a finalidade de chamá-lo para glorificar a Deus. Relegar-lhes qualquer papel ou nível insignificante só seria desprezar, ou na melhor hipótese, ignorar sua importância no desempenho do desafio missionário. Dizer que não são operantes hoje seria distorcer o testemunho bíblico pelos olhos da incredulidade. Não disse Jesus que o crente nele faria maiores obras que Ele (João 14.12)? Paulo não esclareceu que as manifestações milagrosas, o carismati, só desapareceriam depois da vinda de Cristo glorificado (1 Coríntios 13.10)?

Há 35 milagres atribuídos a Jesus nos Evangelhos. Eis a lista:

1. Transformou água em vinho — João 2.1-11
2. Curou o filho dum funcionário público — João 4.46-54
3. Curou um paralítico no poço — João 5.1-9
4. Curou um cego de nascimento — João 9.1-41
5. Alimentou 5.000 pessoas com 5 pães e 2 peixes — João 6.5-13
6. Pegou altas ondas sem prancha e sem se molhar! — João 6.19-21
7. Ressuscitou Lázaro da morte — João 11.1-44
8. Pescou 153 grandes peixes sem se molhar! — João 21.1-11
9. Expulsou um homem dominado por demônio — Lucas 4.33-35
10. Curou a sogra de Pedro — Lucas 4.38-39
11. Pescou peixes que enchiam dois barcos — Lucas 5.1-11
12. Curou um leproso — Lucas 5.12-13
13. Curou um paralítico descido pelo telhado — Lucas 5.17-25
14. Curou o homem de mão aleijada — Lucas 6.6-10
15. Curou o empregado de um oficial romano — Lucas 7.1-10
16. Ressuscitou o filho da viúva — Lucas 7.11-15
17. Acalmou uma tempestade — Lucas 8.22-25
18. Curou o homem dominado por legião de demônios — Lucas 8.27-35
19. Curou a filha de Jairo — Lucas 8.41-56
20. Curou a mulher com hemorragia
21. Curou um menino endemoninhado — Lucas 9.38-43
22. Expulso um demônio de mudez — Lucas 11.14
23. Curou a moça torta de 18 anos — Lucas 13.11-13
24. Curou o homem com as pernas e braços inchados — Lucas 14.1-6
25. Curou 10 leprosos — Lucas 17.11-19
26. Curou um mendigo cego — Lucas 18.35-43
27. Previu a negação de Pedro — Lucas 22.31-34
28. Sarou a orelha cortada do empregado do Sumo Sacerdote — Lucas 22.50-51
29. Curou dois cegos — Mateus 9.27-31
30. Tirou uma moeda da boca dum peixe — Mateus 17.24-27
31. Curou a filha endemoninhada da mulher cananéia — Mateus 15.21-28
32. Alimentou 4.000 pessoas com 7 pães e alguns peixes — Mateus 15.32-38
33. Secou uma figueira infrutífera — Mateus 21.18-22
34. Curou um surdo-mudo — Marcos 7.31-37
35. Curou outro cego — Marcos 8.22-26


NOVIDADE PARA SUA IGREJA. ACESSE:http://bispoluissousa.blogspot.com/2010/12/apostilhas-para-pastores-para-pastores.html

terça-feira, dezembro 21

15 Contradições nos ensinos ods Testemunhas de Jeová

Os ensinamentos claros e cristalinos da Palavra de Deus não dão lugar a que se abrace as doutrinas dos Testemunhas de Jeová após um estudo bíblico completo. Os ensinamentos básicos dessa seita estão em conflito com as Escrituras. Quinze dos seus erros doutrinários excepcionais foram abaixo relacionados e constituem razões sólidas para que ninguém se filie aos Testemunhas se quiser continuar apegado a verdade divina.

1.OS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ NEGAM A DIVINDADE ABSOLUTA E SINGULAR DE JESUS CRISTO.
As Escrituras demonstram que o Senhor Jesus Cristo é Jeová. Isaías 41:4, 44:6, e 48:12 declaram que o atributo de ser o "primeiro e último" pertence a Jeová somente. Apocalipse 1:7-8,11,17 e 22:13-14 apresentam Jesus Cristo com exatamente esse mesmo atributo, fazendo dEle, portanto, Jesus Cristo, o Jeová dessas passagens, e de todo o Velho Testamento.

Isaías 45:22-25 fala de uma adoração universal, que um dia toda a humanidade prestará a Jeová. Filipenses 2:9-11 aplica esta passagem de Isaías a Jesus Cristo.
Isaías 44:22-23 apresenta Jeová como Redentor. Efésios 1:7 estabelece Jesus Cristo como esse Redentor.
Em Isaías 45:24 e 54:17 Jeová é a nossa justiça. Em 1 Coríntios 1:30 Jesus Cristo é a nossa justiça.
Isaías 43:11 reserva a Jeová somente a obra da salvação do homem: "Fora de mim não há Salvador." Tito 2:13 ensina que Jesus Cristo é o Salvador, estabelecendo-O, portanto, como o Jeová de Isaías, capítulo 43.
O estudante honesto das Escrituras há de ler, estudar e comparar os versículos acima apresentados.

2.OS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ ENSINAM QUE JESUS CRISTO É UM SER CRIADO - SIMPLESMENTE UM OUTRO DEUS.
Este erro doutrinário foi criado pelos Testemunhas de Jeová através de sua estúria Tradução "Novo Mundo". que apresenta João 1:1 da seguinte maneira: "E o verbo era um deus". Isaías nega este erro enfaticamente em 43:10, 44:6 e 45:5,12, e prova que sua tradução de João 1:1 é ilegítima. Quatro vezes Jeová declara a impossibilidade de haver "um outro deus" ou "um deus" além dEle mesmo. Qualquer estudante honesto das Escrituras deve reconhecer a exclusividade única de Jeová.

3.OS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ NEGAM A PERSONALIDADE E DIVINDADE DO ESPÍRITO SANTO.
Das muitas referências bíblicas que demonstram que isto não é verdade, João 16:13-14 é a principal. Oito vezes o Senhor Jesus se refere ao Espírito Santo usando o pronome pessoal masculino "ELE". A palavra grega "ESPÍRITO" é neutra mas o pronome empregado não é neutro mas masculino. Cristo estava teologicamente certo nisto, reconhecendo a personalidade do Espírito. Se o Espírito Santo não fosse uma pessoa, o pronome neutro é que seria usado e a gramática da passagem ficaria intacta. Jesus Cristo, o Filho de Deus, JAMAIS COMETEU UM ERRO.

Até a própria tradução "Novo Mundo" dos Testemunhas reconhece a personalidade do Espírito na tradução desses dois versículos. A divindade do Espírito Santo está claramente demonstrada nas referências abaixo que o estudante honesto deve estudar com todo o cuidado: Atos 5:3-4, 1 Coríntios 3:16, 2 Coríntios 13:14. Em 1 Coríntios 12:4-6 o Espírito Santo é chamado de Senhor, v. 5, e Deus, v. 6. Ao colocar Isaías 6:8-10 junto a Atos 28:25-27, toma-se evidente que o Deus de Isaías 6 é o Espírito Santo.

4.OS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ NEGAM A DOUTRINA BÍBLICA DA TRINDADE.
Embora a verdade da Trindade seja considerada divertida pelos Testemunhas, ela não obstante constitui parte da revelação de Deus. O estudante da Bíblia descobre que há uma Pessoa nas Escrituras, conhecida como Pai, que é Deus, Efésios 1:2. Há uma outra Pessoa nas Escrituras, chamada de Filho, Jesus Cristo, e que é Deus, Tito 2:13. Há ainda uma outra Pessoa chamada de Espírito Santo, que é Deus também, Atos 5:3-4. A palavra grega theos, "Deus". foi usada em relação a todas essas três Pessoas, concedendo assim a mesma divindade a cada uma delas. O estudante cuidadoso também nota o fato da Trindade em, Isaías 48:17, 28:19, 2 Coríntios 13:14. A conclusão é simplesmente que há um só Deus manifesto nas três Pessoas conhecidas como Pai, Filho e Espírito Santo e, considerando que cada uma dessas Pessoas é Deus, elas são iguais.

5.OS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ NEGAM A RESSURREIÇÀO FÍSICA E CORPORAL DE JESUS CRISTO.
A sua falsa doutrina declara: "O homem Jesus está morto, só o Seu espírito ressuscitou." O testemunho de Jesus Cristo é completamente diferente, Lucas 24:36-45. Mesmo um exame superficial do v. 39 desfaz qualquer dúvida referente à ressurreição corpórea. Tomé encontrou-se com o Cristo fisicamente ressuscitado, João 20:24-29, como também os outros discípulos que comeram peixe com Ele, João 21:12-14. Paulo testifica a ressurreição física de Jesus Cristo em 1 Coríntios 15:3-19. Os guardas junto à sepultura. os principais dos sacerdotes e o Sinédrio jamais teriam ficados, em Mateus 28:11,15, se "apenas o Seu espírito ressuscitasse".

6.OS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ NEGAM A VOLTA FÍSICA E VISÍVEL DE JESUS CRISTO.
Eles dizem: "Não devemos esperar que Ele torne a voltar como um ser humano". A volta fica mais adequadamente traduzida por presença e se refere à presença invisível do Senhor. Contrastando com isso, o estudante da Bíblia descobre que a verdade é que JESUS CRISTO VAI VOLTAR novamente, física e literalmente. Em Apocalipse 1:7, "todo o olho o verá". Em 1 Tessalonicenses 4:16-17, "o Senhor mesmo...descerá dos céus" E em Atos 1:10-11, "assim virá do modo como o vistes subir". O testemunho dessas passagens é irrefutável.

7.OS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ NEGAM A PRESENÇA DO CRENTE COM CRISTO APÓS A MORTE.
De acordo com 2 Coríntios 5:8, Filipenses 1:21-24 e Lucas 16:20-22, o crente, imediatamente após a morte, passa para a presença de Cristo. O corpo fica no solo, João 11:11-14, aguardando a ressurreição, 1 Coríntios 15:20-23, enquanto a alma e o espírito, agora separados do corpo, Tiago 2:16, entram no céu.

8.OS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ REPROVAM A ESPERANÇA QUE O CRENTE TEM DE IR PARA O CÉU.
João 14:1-3, Filipenses 3:20-21, 1 Pedro 1:3-5 e Apocalipse 3:12 são apenas algumas das muitas passagens bíblicas que falam da "esperança viva" de estar com Cristo para sempre.

9.OS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ NEGAM A REALIDADE E ETERNIDADE DO CASTIGO FUTURO.
As Escrituras falam da realidade do inferno. O Senhor Jesus Cristo falou mais do inferno do que do céu e nos informou que o inferno é uma fornalha de fogo, Mateus 13:49-50, um lugar preparado para Satanás e os seus emissários, Mateus 25:41, de fogo que não se extingue, Marcos 9:42-48. Além disso, Ele insistiu no fato do inferno ser eterno. A palavra grega aionios, que traduz "aquilo que não tem fim". e que foi usada para descrever a vida eterna mencionada em João 3:16, e a eternidade de Deus em Romanos 16:26, foi deliberadamente usada por Cristo para descrever a duração do inferno, Mateus 18:8, e por João, em Apocalipse 14:11. Aionios não tem um significado duplo. Se ela quer dizer que Deus é eterno e a vida que o crente recebe é eterna, então deve significar que o inferno também é eterno.

10.OS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ NEGAM A SALVAÇÃO PERFEITA DA CRUZ DE CRISTO.
Sem qualquer justificativa bíblica, os Testemunhas ensinam que o Milênio, os mil anos do reino de Cristo na terra, proporcionará a toda a humanidade, desde Adão em adiante, que ressuscitará, uma oportunidade, sob condições favoráveis, de receber a salvação eterna. Onde encontrar um único versículo bíblico que apoie tal coisa? O Senhor Jesus Cristo comprou nossa salvação na Cruz, Romanos 3:21-26, e resta ao homem crer e ser salvo, Efésios 2:8-9 e Atos 16:30-31. A salvação é totalmente a parte de qualquer esforço humano, Romanos 3:27-28.

11.OS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ NEGAM O PATRIOTISMO E A CONTINÊNCIA À BANDEIRA.
As Escrituras ordenam aos crentes a serem cidadãos leais. O estudante cuidadoso verá isto em Romanos 13:1-7, 1 Pedro 2:13-15 e Mateus 22:21.

12.OS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ ESTÃO CONFUSOS QUANTO AOS 144.000.
Através de boas obras e esforço sincero um Testemunha de Jeová tem esperança de se tornar um membro do grupo dos 144.000. Nos dois capítulos em que foram mencionados os 144.000, Apocalipse 7 e 14, o estudante das Escrituras nota que os 144.000 são, realmente; Judeus das tribos, sem gentios entre eles, 7:4-8, são todos homens, 14:4, servirão durante a Grande Tribulação, 14:6-13, e não receberão a sua posição mediante obras mas serão designados por Deus, 7:3. Por mais que se force a imaginação. nenhuma interpretação bíblica aceitável pode garantir a essa seita gentia posição entre os 144.000.

13.OS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ USAM UMA TRADUÇÃO DETURPADA DA BÍBLIA.
A Tradução "Novo Mundo" das Escrituras Gregas Cristãs é uma tradução desajeitada do Novo Testamento, que não tem nenhuma reputação entre os mestres do grego. A tradução foi alterada para se encaixar na heresia. Por exemplo. a palavra allos. "outro". não aparece no texto grego de Colossenses 1:16-17, mas foi inserida quatro vezes em sua tradução para que Cristo apareça ser parte da criação e, desse modo, se encaixe em sua doutrina que afirma ser Ele um filho criado, um outro deus. "….porque por meio dEle todas as coisas foram criadas". Esta e dezenas de outras passagens tornam a tradução "Novo Mundo" em uma caricatura da Palavra de Deus.

14.OS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ TEM UM SISTEMA DOUTRINÁRIO QUE SE BASEIA NAS INTERPRETAÇÕES DE CHARLES TAZE RUSSEL.
Em 1874. um camiseiro do Brooklyn, chamado Charles Taze Russel, anunciou que era dono da verdade. Em suas muitas obras Russel "não deixou quase nenhuma grande verdade ou doutrina fundamental não tocada com suas conclusões heréticas e injustificadas". Dr. Win. E. Biederwolf. Conforme um cuidadoso estudo pode revelar, as obras de Russel servem de base fundamental para a estrutura dos Testemunhas de Jeová. Atualmente os Testemunhas de Jeová estão seguindo as conclusões falidas de um patife que se divorciou de sua esposa, teve problemas com os tribunais e que enganou seus seguidores vendendo-lhes "trigo milagroso" a preço exorbitante, o qual ele proclamava que produzia 15 vezes mais do que o trigo comum.

15.0S TESTEMUNHAS DE JEOVÁ NEGLIGENCIAM A VASTA ÁREA DE VERDADES BÍBLICAS.
Uma análise cuidadosa dos diversos livros, panfletos, e revistas editados pela Torre de Vigia revela que apenas uma pequena porcentagem Bíblica foi por eles usada. Eles não citam mais de 7% das Escrituras, deixando o restante da Palavra de Deus não mencionada.

NOVIDADE PARA SUA IGREJA. ACESSE:
http://bispoluissousa.blogspot.com/2010/12/apostilhas-para-pastores-para-pastores.html

segunda-feira, dezembro 20

Ousadia profética

Ao estudarmos a Palavra, no AT, nos deparamos com uma grande verdade que rege completamente nossa vida. Por vezes alguém profetiza sobre nossa vida! Quantos já o fizeram sobre a sua vida? A verdade é que Deus já nos predestinou para realizarmos o Que ele quer. Ninguém pode profetizar sobre nossa vida. Ninguém. Quando em nossa vida tudo parece dar errado, não há necessidade de alguém profetizar sobre nós. Quem ousa substituir a Deus?Quem?Apenas, nesse momento delicado nos afastamos da profecia de Deus desde a eternidade. precisamos então de orar, que orem por nós, que intercedam para que retornemos de novo ao Caminho. Para os Hebreus não existe olhar o futuro. Aquilo que está na frente de nossos olhos é o passado. O passado, a Obra de Deus está diante de nossos olhos..o passado. O futuro se encontra nas nossas costas..atrás de nós. Porquê? Porque ao homem não é dado conhecer os designios de Deus. A obra de Deus somente a Ele pertence. Não tentemos olhar para a frente para ver o futuro. Não é aí que se encontra. não existem profecias na frente. O profeta, o Criador, O espirito está atrás de nós fazendo a Eternidade acontecer, mas, quando o homem começa, com os olhos, imaginando a sua obra pessoal é aí que se perde a distância com o Senhor. é aí que entram os profetas. Aquele irmaozinho sempre pronto a profetizar. Os falsos profetas. Pode parecer duro, mas, compreender a Palavra nos torna presentes diante do Criador.Nenhum irmão profetiza sobre a minha vida.
> Vamos mais adiante para entender? OK?
> No livro de Genesis ou (O Princípio) lemos que Deus criou os animais conformes a sua especie; criou as plantas conforme suas especies. Que qeur isto dizer? Que um animal foi gerado de outro animal semelhante a ele; que uma planta foi gerada de uma semente semelhante.
> Mas, e o homem?
> Amados. já pararam alguma vez para entender a Palavra nesse contexto? A Palavra diz:" O homem foi criado Á SEMELHANCA DE DEUS".
>
> Amados somos semelhantes a Deus. Eu não sou semelhante a vc; não sou semelhante a meu tio.....
> "SEMELHANTE" quer dizer: em carater de Deus.
> Apenas o homem é de natureza singular. Semelhante a Deus.
>
> Por isso, minha vida, minhas profecias sobre a minha vida vÊm do Criador e nunca, nunca de nenhum irmão. \ninguém profetiza sobre minha vida. Eu não permito. Se o permitir estarei ultrajando Aquele que me criou a Sua imagem e Semelhança.
>
>
> Deus abençoe a todos.
> Que a Eternidade de Deus para tua vida seja a verdade.

Bp, Luis Sousa


NOVIDADE PARA SUA IGREJA. ACESSE:
http://bispoluissousa.blogspot.com/2010/12/apostilhas-para-pastores-para-pastores.html

COISAS ASSOCIADAS COM O ARREPENDIMENTO

COISAS ASSOCIADAS COM O ARREPENDIMENTO



A Bíblia identifica diversas coisas associadas com o arrependimento:

FÉ:

Fé para com Deus está associada com arrependimento. Ele é ouvido em Hebreus 6 como o segundo princípio fundamental da fé cristã. O arrependimento de obras mortas deve ser combinado com fé em Deus (Marcos 1.15; Atos 20.21).

Você aprenderá mais sobre a “fé em Deus” no próximo capítulo, quando estudarmos o segundo fundamento da fé cristã.

BATISMO:

O batismo deve acompanhar o arrependimento como um sinal exterior da mudança interior que ocorreu em você (Atos 3.19).

A doutrina dos batismos também será discutida neste curso como uma parte dos fundamentos mencionados em Hebreus 6.

OBRAS:

As obras do homem, que a Bíblia também chama de “fruto”, testifica se houve ou não verdadeiro arrependimento (Atos 26.20; Mateus 3.8).

Tanto “obras” quanto “frutos” se referem ao comportamento exterior que deve mudar após o verdadeiro arrependimento.

CONVERSÃO:

“Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados” (Atos 3.19).

Desde que a conversão está relacionado ao arrependimento, você necessita compreender a conversão.

CONVERSÃO

Conversão significa “voltar”. Quando ela é usada em conexão com o arrependimento bíblico, ela significa “voltar-se do caminho errado para o caminho certo” (Lucas 1.16; Atos 9.35; Atos 11.21).

Conversão é voltar-se das trevas do pecado para a luz da justiça de Deus (Atos 26.18).

É voltar-se do poder de Satanás para Deus (atos 26.18). É voltar-se das coisas mundanas para as coisas espirituais (Atos 14.15). É voltar-se dos falsos deuses para o verdadeiro e vivo Deus (1 Tessalonicenses 1.9).

A IMPORTÂNCIA DA CONVERSÃO

A conversão deve ser acompanhada de arrependimento. Você deve voltar-se do errado para o certo porque...

ISTO É NECESSÁRIO PARA ENTRAR NO REINO DE DEUS:

“E disse: Em verdade vos digo que, se não vos converterdes e não vos tornardes como crianças, de modo algum entrareis no reino dos céus” (Mateus 18.3).

ISTO SALVA DA MORTE ESPIRITUAL:

“sabei que aquele que converte o pecador do seu caminho errado salvará da morte a alma dele e cobrirá multidão de pecados” (Tiago 5.20).

É NECESSÁRIO PARA O CANCELAMENTO DO PECADO:

Nosso pecado está escrito nos registros de Deus até que nos arrependamos e sejamos convertidos, então ele é cancelado (Atos 3.19).


O FILHO PRÓDIGO

Arrependimento e conversão são ilustrados melhor pela estória que Jesus contou sobre o filho pródigo. Leia a estória em Lucas 15.11-24. O jovem deixou seu pai e seu lar, foi para uma terra distante, e através do pecado gastou tudo que tinha.

Depois, este jovem reconheceu sua condição. Ele estava faminto, sozinho, em farrapos e trabalhando como alimentador de porcos. Então, ele tomou uma decisão importante. Ele disse, “levantar-me-ei e irei ter com meu pai”. Esta decisão interior resultou numa mudanças de suas ações exteriores. Ele voltou à casa do seu pai para pedir-lhe perdão.

ARREPENDIMENTO...A MUDANÇA DE MENTE:

Leia Lucas 15.17-19. O jovem reconheceu sua condição pecaminosa. Ele tomou uma decisão para ir até seu pai e arrepender-se de seu pecado. Isto é um exemplo de arrependimento, uma decisão da qual resulta em ações exteriores.

CONVERSÃO...AGINDO SOBRE A DECISÃO:

Lucas 15.20 registra como o rapaz levantou-se e deixou a velha vida e foi encontrar-se com seu pai para começar uma nova vida. Isto é conversão.

HOMENS PRÓDIGOS

Em sua condição pecaminosa, cada homem deve voltar-se para Deus como seu Pai e para o Céu como seu lar. Cada passo que ele dá para longe de Deus é um passo mais próximo da morte espiritual de eterna separação de Deus.

Há uma decisão maior para ser tomada. Ele deve “cair em si mesmo” e reconhecer sua condição espiritual. Ele deve tomar a decisão que resultará numa mudança e direção espiritual. Esta mudança na direção espiritual o converterá de seus pecados para Deus. Este é o primeiro passo em edificar um apropriado fundamento espiritual.

JUSTIFICAÇÃO E SALVAÇÃO

Há dois outros termos usados na Bíblia que se relaciona ao arrependimento. Estes termos são “justificação” e “salvação”. Deus é o juiz de toda a humanidade. Quando você está vivendo em “obras mortas” (pecado), você está condenado diante Dele (João 3.18-19).

Quando você se arrepende do pecado e toma a decisão de converter-se de seus caminhos pecaminosos, isto estabelece um relacionamento certo com Deus. Este relacionamento ou posição correta diante de Deus é “chamada” de “justificação” (Romanos 6.16-18).

As penalidades do pecado são morte física e espiritual. Quando Jesus morreu na cruz, Ele pagou a penalidade pelos pecados de toda a humanidade (2 Coríntios 5.21).

Se você creu que Jesus morreu por seus pecados, se arrependeu e o aceitou como Salvador, então você não experimentará a morte espiritual de eterna separação de Deus no inferno. Embora seu corpo físico possa morrer, você ressuscitará para a vida eterna. Isto tornou-se possível através da morte e ressurreição de nosso Senhor Jesus. Você foi justificado ou colocado num relacionamento correto com Deus, por meio de Jesus Cristo (Romanos 3.24; 5.9; 5.1).

Quando você é justificado pelo arrependimento e por aceitar a Jesus Cristo como seu Salvador, você é salvo de uma vida de pecado e das penalidades do pecado (João 5.24).

Isto é o que significa ser salvo e é o que a Bíblia está falando quando o termo “salvação” é usado. É o desejo de Deus que todos os homens obtenham salvação ao invés de experimentarem a ira do julgamento de Deus por causa do pecado (1 Tessalonicenses 5.9-10a; João 3.16-17).

SUMÁRIO

O gráfico abaixo resume os conceitos básicos ensinados nos capítulos dois e três.

É importante lembrar que cada princípio fundamental da fé cristã está relacionado uns com os outros. Por exemplo, arrependimento de obras mortas não pode ser separado da fé em Deus, que é o assunto do próximo capítulo.

Origem do Pecado: Lúcifer (Satanás)

Rebelou-se contra Deus

Ele levou o homem a pecar, o que resultou na

Queda do Homem (Adão e Eva)

Isto resultou em

Todos os homens herdarem a natureza básica do pecado e
individualmente cometerem atos de pecado devido à esta natureza

O Pecado leva a:

Morte Espiritual
Morte Física

Na Cruz, Jesus pagou por estas penalidades, o que resultou

na justificação do homem pecaminoso:

Arrependimento de obras mortas (uma decisão interior)

que leva à

Conversão (uma mudança exterior)

que resulta na

Justificação de um Homem Pecaminoso perante um Deus Justo

e

Salvação de uma Vida de Pecado e das Penalidades do Pecado



NOVIDADE PARA SUA IGREJA. ACESSE:
http://bispoluissousa.blogspot.com/2010/12/apostilhas-para-pastores-para-pastores.html

Os Decretos Divinos e a Origem do Mal

O Mal Natural e o Mal Físico

O mal natural são os males ocorridos por causa da desordem física e decadência do Universo que assolam a humanidade através das calamidades naturais (terremotos, furacões, vulcões), das pandemias (Aids, Ebola) que afetam a existência humana, das enfermidades tanto curáveis quanto incuráveis, dos desastres acidentais, e por fim, o mais doloroso de todos eles – a morte física. [1]
O mal natural está ligado a maldição que Deus pronunciou contra a terra (Gn 3.17,18), como conseqüência da desobediência humana. Embora a humanidade racionalista e afastada de Deus encontre explicações científicas para os diversos tipos de catástrofes naturais, a Bíblia, contudo, declara que o surgimento desses males está ligado diretamente ao pecado original. O Universo deixa a sua ordem original em direção ao caos.


Esta desordem é usada por Deus para afetar o pecado dos homens. É assim que diversas cidades bíblicas foram afetadas por elementos físicos como forma de punição divina, como por exemplo, Sodoma e Gomorra (fogo e enxofre), o mundo pré-diluviano (dilúvio), as dez pragas do Egito, e a morte da família de Coré.[2]


Essas ações demonstram que Deus possui total controle sobre a desordem física do Universo ou mal natural e, desse modo devemos entender o texto de Isaías 45.7: “Eu formo a luz e crio as trevas; faço a paz e crio o mal; eu, o Senhor, faço todas estas coisas”. O texto cuja estrutura é um paralelismo que emprega a antítese [3] entre os vocábulos principais de cada linha e o sinonísmo entre as duas linhas, faz contraste entre luz e trevas, paz e mal, e dentro da direção que o texto conduz, “mal” deve ser entendido como o mal provocado pela guerra, catástrofes, etc., e não aquele que induz o homem ao pecado.[4]

É assim que Jó responde a sua mulher: “Falas como qualquer doida; temos recebido o bem de Deus e não receberíamos também o mal? Em tudo isto não pecou Jó com os seus lábios” (Jó 2.9,10). Jó atribui a Deus todos os seus infortúnios, como sendo ele aquele que permitiu cada uma das suas agruras, embora saibamos que Deus permitiu, mas não o causou.

Aliado ao mal natural está o mal físico. Este é involuntário, resultante da finitude das criaturas. É uma penalidade que o homem sofre como conseqüência do pecado original. Este mal ocorre involuntariamente como um infortúnio à criatura. Pode estar relacionado desde a um mal ou doença congênita até aquele adquirido pelos acidentes ou doenças transmissíveis. Este mal também tem estreita relação com o pecado original, sendo conseqüência deste embora seja distinto. Deus criou o homem em estado de integridade, não apenas espiritual e moral, mas também fisicamente. A morte física é, entre outros males, uma das punições mais severas resultantes do pecado original. É um mal que assola o homem e o mesmo que foi dito a respeito das doenças e infortúnios cabe igualmente nessa proposição. Deste modo entendemos, pois, que toda criação está sujeita à vaidade e à escravidão da corrupção, até que se realize a redenção completa dos filhos de Deus (Rm 8.20-23).

O Mal Moral

O pecado ou mal moral, embora fosse anterior a criação do homem, entretanto, teve sei início na história da humanidade através da tentação. A Bíblia intitula o mal moral de pecado, fracasso, erro, iniqüidade, injustiça, impiedade, transgressão e contravenção. Esse é o problema que assola o mundo e, dele resultam as outras tragédias descritas no mal natural e físico. Podemos observar essas formas de mal operando na experiência humana de modo insofismável.


O sofrimento de Jó e o mal. A Escritura também descreve a ocorrência deles simultaneamente. No prefácio do livro de Jó encontramos o mal como uma entidade pessoal (Satanás 1.7-12), o mal moral (a violência cometida pelos sabeus,1.13-15, 17 (caldeus), o mal natural (v.16,18-19, fogo do céu; grande vento), o mal físico (tumores malignos).

O contexto do livro deixa muito claro que embora o homem possa ser tentado pelo mal pessoal, assolado pelo mal natural e físico, pode ele mesmo, manter-se íntegro e evitar o mal moral: “Então, sua mulher lhe disse: Ainda conservas a tua integridade? Amaldiçoas a Deus e morre. Mas ele lhe respondeu: Falas como qualquer doida; temos recebido o bem de Deus e não receberíamos também o mal? Em tudo isto não pecou Jó com os seus lábios” (Jó 2.9,10).

O estudo do mal moral nos dirige à origem do pecado na história da humanidade. A Escritura ensina que o mal moral teve início com a transgressão de Adão, e que esse ato foi inteiramente voluntário, como escolha pessoal de Adão e sua esposa Eva. Pelo primeiro pecado, o homem tornou-se “escravo do pecado”. Adão pecou não somente como pai da raça humana, mas também como cabeça representativa de todos os seus descendentes. Logo, todos são pecadores e destituidos estão da glória e graça de Deus. É necessário que o homem aceite a Jesus como seu único suficiente Salvador e Senhor pessoal. Cristo é a solução para o mal moral, físico, natural e espiritual.

Notas


[1] BENTHO, Esdras Costa. Decreto divino: para os que não crêem nenhuma explicação é possível, para os que crêem nenhuma explicação é preciso. Joinville: Verbum Editora, 2000, p.21
[2] Este evento em especial narrado em Números 16.30-34 é significativo. Gordon J. Wenhan, declara que “é possível que as tendas de Coré, Datã e Abirão estavam armadas sobre um Kewir, ou seja, uma placa de lama endurecida na superfície, mas pantanosa por baixo. Se a costa de um Kewir se rompe, as pessoas que estiverem sobre ele são tragadas da forma como descreve Números 16.30-34. Kewis como este se encontram no Arabá, que se estende na direção sul, do Mar Morto até o Mar Vermelho”. WENHAN, Gordon J. Números: introdução e comentário. Série Cultura Bíblica. São Paulo: Mundo Cristão e Vida Nova, 1985, p.144-5.
[3] É aquele em que o segundo elemento faz agudo contraste com o primeiro. Embora encontremos relação contrastante dentro de cada linha do verso, permanece a sinonímia entre as duas primeiras linhas do discurso.
[4] Uma análise minuciosa do capítulo revelará tratar-se da libertação do povo do cativeiro através da instrumentalidade de Ciro, assim o Senhor foi tanto o responsável pelo mal do cativeiro judaico quanto pela sua libertação (o bem).

Referência Bibliográfica
BERKHOF, Louis. Manual de Doutrina Cristã, 2ª ed., 1992, MG, CEIBEL.
______ A História das Doutrinas Cristãs, 1ª ed.,1992, SP, PES.
______ Teologia Sistemática, 1ª ed.,1990, SP, Luz Para o Caminho.
BROWN, Colin, ed. Dicionário Internacional de Teologia do Novo Testamento, 1ª ed., 1981, SP, Vida Nova.
CHAFER, Lewis Sperry, Teologia Sistemática, VI, 1ª ed., 1986, SP, IBR.
CHAMPLIN,R.N.; BENTES, J.M. Enciclopédia de Bíblia Teologia e Filosofia, 1991, SP, Editora Candeia.
ELWELL, Walter A. ed. Enciclopédia Histórico-Teológica da Igreja Cristã, 1ª ed., 1988, SP, Vida Nova.
FRIBERG, Barbara; FRIBERG, Timothy, ed. O Novo Testamento Grego Analítico, 1ª ed., 1987, SP, Vida Nova.
GINGRICH, Wilbur F.; DANKER, Frederick W. Léxico do Novo Testamento, 1º ed., SP, Vida Nova.
HARRIS, R, Laird, (et alii), Dicionário Internacional de Teologia do Antigo Testamento, 1ª ed., 1998, SP, Vida Nova.
HORTON, Stanley M. (ed.) Teologia Sistemática, 1ª ed.,1996, RJ, CPAD.
PEARLMAN, Myer. Conhecendo as Doutrinas da Bíblia, 7ª ed., 1978, SP, Vida.
TEIXEIRA, Alfredo Borges. Dogmática Evangélica, 2ª ed., 1976, RJ, Livraria e Editora Pendão Real.
THIESSEN, Henry Clarence. Palestras em Teologia Sistemática, 1ª ed.,1987, SP, IBR.


NOVIDADE PARA SUA IGREJA. ACESSE:
http://bispoluissousa.blogspot.com/2010/12/apostilhas-para-pastores-para-pastores.html

DISPENSAÇÕES ( Períodos Bíblicos)

DISPENSAÇÕES ( Períodos Bíblicos)

Neste estudo veremos que uma dispensação é um período de tempo, longo ou curto, no qual, através de uma lei fixa, Deus prova a humanidade, sob a qual a humanidade deve ser fiel e obediente para que possa receber as bênçãos prometida.

A separação de épocas (ou dispensações) da História Sagrada é o método mais antigo de estudar a Palavra de Deus. Este método não só é o mais antigo , más também o mais razoável. Com este sistema de estudo o aluno aprenderá a fazer as divisões das revelações que Deus deu à raça humana.

Neste estudo nosso principal livro de texto será a BÍBLIA. Pois nela encontramos a história da criação do mundo, da natureza, do passado, do presente e do futuro.

A palavra "dispensação", vem do latim "dispensatio". E significa administração, economia ou mordomia. Isso nos leva a afirmar que em cada período bíblico Deus esta administrando os tempos e as diferentes revelações manifestadas ao homem.

OS PACTOS.

Em cada dispensação há um pacto entre Deus e o homem, do qual Deus é o autor. Nesses pactos Deus estabelece certas condições que devem ser cumpridas pelo homem.

Os PACTOS de Deus para com o homem são OITO:

1. PACTO EDENICO, feito com Adão ( Gênesis 1.28-30; 2.15-17)

2. PACTO ADAMICO, feito com Adão e Eva depois de sua desobediência (Gênesis 3.14-19)

3. PACTO COM NOÉ , feito depois do dilúvio (Gênesis 8.20; 9.1-17)

4. PACTO COM ABRAAO, o qual foi confirmado a seu filho Isque e a seu neto Jacó (Gênesis 12.1-3; 26.1-5)

5. PACTO MOSAICO, feito com Moisés depois do êxodo (Êxodo 20)

6. PACTO PALESTINICO, feito com Israel

( Deuteronômio 30.1-10).

7. PACTO DAVIDICO, FEITO COM Davi ( 2 Samuel 7.4-17)

8. NOVO PACTO, corresponde al período que seguirá à manifestação de Cristo ( Hebreus 8.7-13)

Na Bíblia vamos encontrar sete dispensações:
1. Dispensação da INOCENCIA
2. Dispensação da CONSCIENCIA
3. Dispensação do GOVERNO HUMANO
4. Dispensação da PROMESSA
5. Dispensação da LEI
6. Dispensação da GRACA
7. Dispensação do REINO OU MILENIAL.

Em cada período dispensacional, temos QUATRO coisas que se destacam:
8. Há uma NOTA dominante: os pactos e o amor de Deus.
9. Há um PROPOSITO definido no plano de Deus: Uma nova REVELACAO de Deus; normas que são abolidas, outras que continuam, outras que são acrescentadas.
10. Há uma PESSOA que se sobressai: Por exemplo: Moisés, Noé, Adão.
11. Há um ACONTECIMENTO que se destaca:A entrega da Lei; a vinda do Espírito Santo, etc.

"No principio criou Deus os céus e a terra" (Gênesis 1.1).

l. O ato criativo divino, pelo qual Deus criou os céus e a terra, compreende todo o sistema planetário conhecido como "mundos" ou "universo".

2. Os três atos criativos de Deus estão no capitulo 1 de Gênesis. Nesse capítulo encontramos todo ato criador de Deus que são:

1. A criação do UNIVERSO, céus e terra ( Gênesis 1.1).
2. A criação da vida ORGANICA, a vida animal ( Gênesis 1.21).
3. A criação do GENERO HUMANO, o homem ( Gênesis 1.26).

O ATO CRIATIVO ORIGINAL.

Segundo as Escrituras na criação original de Deus, em Gênesis 1.1, há um principio definido, um período desconhecido e longínquo, oculto da limitada e finita mente humana, o qual vai mais além da criação de Gênesis 1.1.

A criação original fala de uma terra bela e esplendorosa. Não cremos numa terra original sem forma e vazia. "Filho do homem, levanta uma lamentação sobre o rei de Tiro e dize-lhe: Assim diz o Senhor Jeová: Tu és o aferidor da medida, cheio de sabedoria e perfeito em formosura. Estavas no Éden, jardim de Deus; toda pedra preciosa era a tua cobertura: a sardônia, o topázio, o diamante, a turquesa, o ônix, o jaspe, a safira, o carbúnculo, a esmeralda e o ouro; a obra dos teus tambores e dos teus pífaros estava em ti; no dia em que foste criado foram preparados" (Ezequiel 28.12,13).

A TERRA COSMICA.

Em Gênesis 1.2, vamos encontrar uma terra totalmente diferente da que foi originalmente criada. Alguma coisa aconteceu que provocou essa mudança brusca sobre a terra.

Em Isaías 45.18, diz que Deus não criou a terra em vão. No original hebraico, é usada a mesma expressão que traduz Gênesis 1.2. ""sem forma e vazia" (Tohu e Bohu).

Façamos uma comparação com a terra de Ezequiel 28.12-16, e verá o maravilhoso que era a terra original de Gênesis 1.1.

Aí aparece a figura de Lúcifer, como um querubim ungido, como um guardião da terra original.

O texto de Ezequiel 28.12.13, nos fala de uma terra original bem diferente do que vemos em Gênesis 1.2, Nos fala sobre uma terra linda com pedras preciosas, esmeraldas, etc. Sabemos que antes da rebelião de Lúcifer, não existia o pecado, assim que, se Adão, sendo, segundo a Escritura, o primeiro homem da terra, veio a conhecer o pecado, se entende claramente que a rebelião de Lúcifer (o pai do pecado) só pode ter acontecido entre os versículos 1.1 e 1.2 de Gênesis. Como conseqüência dessa rebelião de Lúcifer que foi lançado sobre a terra, sobreveio o estado caótico ou sem forma e vazia da terra (Gênesis 1.2), conhecido como terra cósmica.

O Profeta Isaias nos apresenta o relato de como foi a caída de Lúcifer, logo depois de haver se rebelado contra a autoridade de Deus.

"Como caíste do céu, ó Estela da manhã, filha da alva! Como fostes lançado por terra, tu que debilitava as nações! E dizia no eu coração: Eu subirei ao céu, e, acima das estrelas de Deus, exaltarei o meu trono, e, no monte da congregação, me assentarei, da banda dos lados do Norte. Subirei acima das mais altas nuvens e serei semelhante ao Altíssimo. E, contudo, levado serás ao inferno, ao mais profundo do abismo" (Isaías 14.12-15).
EXTRA DISPENSACIONALISMO

Neste estudo de dispensações, tudo tem seu começo em Gênesis 1.1. Mas existe muitas coisas que precederam a esse principio criativo divino, ou seja, que aconteceram antes de Gênesis 1.1, que chamamos "Extra dispensacionalismo".

Tudo o que a cronologia diz, começa em Gênesis 1.1, porem somos levados pela curiosidade para dar uma olhada no que há antes de Gênesis 1.1, sem sair dos parâmetros bíblicos.

O QUE HAVIA ANTES DE GÊNESIS 1.1?

1. ANTES DA CRIAÇÃO DO MUNDO (Gênesis 1.1) HOUVE UMA MANIFESTAÇÃO DE AMOR ENTRE DEUS PAI E DEUS FILHO..

Neste passado cheio de mistérios, havia a unidade e a eterna comunhão do Verbo de Deus, o qual mais tarde se encarnou. "O Senhor me possuiu no princípio de seus caminhos e antes de suas obras mais antigas...ainda Ele não tinha feito a terra, nem os campos, nem sequer o princípio do pó do mundo" (Provérbios 8.22,26).

"No princípio, era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus" (João 1.1,2).

A evidência da existência destes fatos antes de Gênesis 1.1, é reforçada com a revelação da relação amorosa entre o Pai e o Filho : " ...Porque tu me hás amada antes da criação do mundo" ( João 17.24b).
2. ANTES DA CRIAÇÃO DO MUNDO, HOUVE UMA MANIFESTA-ÇÃO DE GLÓRIA DO FILHO JUNTO AO PAI.

" E, agora, glorifica-me tu, ó Pai, junto de ti mesmo, com aquela glória que tinha contigo antes que o mundo existisse" (João 17.5).
3. ANTES DA CRIAÇÃO DO MUNDO, DEUS JÁ HAVIA DETERMINADO UM CONSELHO PARA A SALVAÇÃO DOMUNDO.

Por Sua Onisciência, Deus já havia determinado, antes da criação do mundo, um conselho para a salvação do homem. Também nos havia prometido vida eterna, "antes do princípio dos séculos. Assim que desde o ponto de vista de Deus, que transcende o tempo, todas as bênçãos nos foram dadas em Jesus, antes dos tempos eternos.

Esse Conselho preparou um reino para os Seus. Essa declaração será dada pelo Rei, quando Ele levantar seu trono sobre a terra. "Então dirá o Rei aos que estiverem à sua direita: Vinde, benditos de meu Pai, possuí por herança o Reino que vos está preparado desde a fundação do mundo" (Mateus 25.34).

4. ANTES DA FUNDAÇÃO DO MUNDO, O FILHO DE DEUS, COMO "CORDEIRO SEM MANCHA", JÁ ERA CONHECIDO COMO AQUELE QUE VIRIA A SER MEDIADOR ENTRE DEUS E OS HOMENS.

"Mas com o precioso sangue de Cristo, como de um cordeiro imaculado e incontaminado, o qual, na verdade, em outro tempo, foi conhecido, ainda antes da fundação do mundo, mas manifestado, nestes últimos tempos, por amor de vós" ( I Pedro 1.19,20).

Na sua oração sacerdotal (João 17) Cristo declara o plano eterno de Deus, concebido

antes de Gênesis 1.1, a favor dos seus.

OS SETE PRIMEIRO DIAS DA HISTORIA.

Segundo a Geologia, a vida precedeu à luz, desenvolvendo-se nas

profundezas dos mares. "E o Espírito de Deus se movia sobre a face das águas" A geologia também diz que primeiro houve uma luz química, não uma luz solar. " Disse Deus. Seja a luz, e foi a luz". Deus disse isso no primeiro dia, e o sol só apareceu no quarto dia. Assim a ciência confirma a Palavra de Deus.

O PRIMEIRO DIA – Gen. 1.3

O SEGUNDO DIA – Gen. 1.6

O TERCEIRO DIA – Gen. 1.11

O QUARTO DIA – Gen. 1.14

O QUINTO DIA - Gen. L.20

O SEXTO DIA – Gen. 1.24-27.

1- PRIMEIRO DIA (Gênesis 1.3)

"E disse Deus. Haja luz. E houve luz".

A luz é criação de Deus, totalmente oposta às trevas.

2- SEGUNDO DIA (Gênesis 1.6)

"E disse Deus:Haja uma expansão no meio das águas, e haja separação entre águas e águas". Aqui, a palavra hebraica "rakia", significa simplesmente "expansão" ou "espaço". Assim que se refere a esse espaço ou expansão que separa as nuvens que estão nas regiões mais altas dos mares e tudo o que está embaixo. A isto o chamamos "atmosfera".

3- TERCEIRO DIA (Gênesis 11)

"E disse Deus: Produza a terra erva verde, erva que dê semente, árvore frutífera que dê fruto segundo a sua espécie, cuja semente esteja nela sobre a terra. E assim foi".

Aqui neste versículo, podemos considerar a origem da vida em sua forma mais baixa.

São especificadas três classes de vida vegetal:

a. A erva,

b. A erva que dá semente

c. A árvore que dá fruto.

A primeira é um organismo mais simples; a segunda já é mais complexa, tendo um ramo, e se propaga através de suas sementes; a terceira é mais complexa, pois tem ramos de madeira, e por isso pode elevar-se do chão, e dar fruto que contém a semente para sua propagação.

4- QUARTO DIA (Gênesis 1.14)

"E disse Deus: Haja luminares na expansão dos céus, para haver separação entre o dia e a noite; e sejam eles para sinais e para tempos determinados e para dias e anos".

Notamos que no primeiro versículo de Gênesis, temos uma declaração que estabelece a criação dos céus e terra. Portanto, aqui não se refere a criação dos corpos celestes, porque não se emprega a palavra "criar", mas indica seus ofícios de utilidades para a terra.

5- QUINTO DIA (Gênesis 1.20)

"E disse Deus: Produzam as águas abundantemente répteis de alma vivente; e voem as aves sobre a faze da expansão dos céus".

Sabemos que a maioria das vidas está nos mares e rios. A fecundidade dos peixes é algo grandioso que o homem não pode nem imaginar. É o fiel cumprimento da Palavra de Deus.

6- SEXTO DIA (Gênesis 1.24-27)

"E disse Deus: Produza a terra alma vivente conforme a sua espécie, e répteis, e bestas feras da terra conforme a sua espécie. E assim foi...".

A CRIAÇÃO DO HOMEM.

Gênesis 1.26: "E disse Deus: façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança; e domine sobre os peixes do mar, e sobre as aves dos céus, e sobre o gado, e sobre toda a terra, e sobre todo réptil que se move sobre a terra".

No sexto dia da criação, depois de concluir sua ação criadora, Deus sentiu a necessidade de algo mais pessoal, algo inteligente e que pudesse ter comunicação direta com Ele.

Numa época completamente remota, num passado desconhecido, a Divindade propôs a criação de um ser que pudesse desfrutar de comunhão com Deus e, para ser seu representante aqui na terra. Esse ser foi o HOMEM. Foi criado à IMAGEM e SEMELHANÇA de Deus.

IMAGEM, do hebraico "tselem", significa a expressão da realidade. O homem possui uma natureza trina, pois é constituído de Espírito, alma e Corpo. "E o mesmo Deus de Paz vos santifique em tudo; e todo o vosso espírito, e alma, e corpo sejam plenamente conservados irrepreensíveis para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo" (I Tessalonicenses 5.23). Possui uma natureza espiritual que o coloca em contacto com Deus "Porque qual dos homens sabe as coisas do homem, senão o espírito do homem, que nele está? Assim também ninguém sabe as coisas de Deus, senão o Espírito de Deus" ( I coríntios 2.11).

. A imagem é a substância espiritual e inseparável da alma e não pode ser separada do homem vivente.

A Palavra "SEMELHANCA", corresponde ao caráter moral, que pode separar-se da substancia ou essência e que foi perdida na queda do homem através do pecado original. Ele continuou tendo a alma, mas sem o caráter moral divino (I João 3.2; Salmo 17.15).

IMAGEM e SEMELHANCA, não são termos para compreender-se materialmente, mas espiritualmente.

O sacrifício de Cristo na cruz foi para restaurar a semelhança através do novo nascimento (regeneração). "Jesus respondeu e disse-lhe: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer de novo não pode ver o Reino de Deus", (João 3.3). "Mas a nossa cidade está nos céus, donde também esperamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo, que transformará o nosso corpo abatido, para ser conforme o seu corpo glorioso, segundo o seu eficaz poder de sujeitar também em si todas as coisas". (Filipenses 3.20,21).

O homem foi criado para ser perfeito, puro e maravilhoso. "Vede, isto tão somente achei: que Deus fez ao homem reto, mas ele buscou muitas invenções" (Eclesiastes 29).

Deus deu ao homem todo poder sobre as coisas criadas (céu, terra e mar). Através da ciência, a tecnologia, podemos ver o poder dominante do homem. O homem com esse poder e sabedoria, deu nome a todos os seres viventes da terra. Era um conhecimento intuitivo. O homem era perfeito em todos os aspectos: físico, moral e espiritual.

Para todas as coisas criadas, foi empregado uma simples palavra, porém quando chegou a hora de criar o homem, Deus mudou seu método de povoar o universo. Ele colocou Suas próprias mãos em ação, para imprimir um contacto pessoal no novo ser que estava criando. Assim que o homem leva em si, a marca de Deus, a impressão digital de Deus.

Deus coroou a sua obra criadora, com a criação do HOMEM. Assim que o homem foi como a coroa da criação de Deus.
DISPENSAÇÃO DA INOCENCIA

Esta é a primeira dispensação. Foi precedida pela criação. Gênesis 1.2, diz que a terra estava sem forma e vazia. Não sabemos quantos anos havia entre o versículo 1 y o versículo 3. Isso deixa lugar para muitos argumentos. Alguns estudiosos da Bíblia dizem que haviam milhões de anos , enquanto outros dizem que não havia um tempo definido. Os ossos de animais extintos e as formações estranhas como os poços de petróleo, de sal, e de carvão de pedra da lugar a aceitar a primeira teoria, mas também pode ser que o dilúvio tenha causado tudo isso. Parece que Deus tem segredos profundos nas Escrituras. Deus criou o primeiro homem y a primeira mulher e lhes provou na primeira dispensação.

1. A primeira dispensação se chama da Inocência porque Adão e Eva eram inocentes, não conhecendo o pecado por experiência.

1. Circunstancias favoráveis.
1. Não conheciam o pecado.
2. Não tinham doenças
3. Tinham perfeita liberdade
1. todas espécie de comida
2. pouco trabalho
3. nenhum inimigo visível
4. Tinham vida espiritual diretamente do Espírito de Deus
5. Tinham domínio sobre toda a criação
6. Havia um fiel companheiro para cada um.
2. A prova era que não deviam comer do fruto da árvore do conhecimento do bem e do mal (Gênesis 2.16-17)
3. Fracasso do homem. Desobediência. Gênesis 3.6; I Timoteo 2.13-14.

Surge o Tentador, Satanás. Seu nome não aparece no texto de Gênesis. Satanás oferece a Eva algo que foi terminantemente proibido por Deus.

Em I João 2.16, temos a lição que toda tentação do mundo consiste em três pontos:
1. Os desejos da carne: O que satisfaz os apetites ou desejos carnais.
2. Os desejos dos olhos: O que satisfaz à vista.
3. A vanglória da vida: O que satisfaz o orgulho próprio.

Na tentação da mulher, o tentador empregou todas as formas de tentação.
4. A QUEDA E A MORTE DO HOMEM

A mulher caiu sob a tentação, levando seu marido, Adão a uma condição lamentável.

Assim , Adão que foi constituído como chefe da criação, se sujeitou a Satanás, passando sua lealdade de Deus ao Diabo. Naquele momento, ele, Adão entregou o mundo nas mãos do maligno. Desde então o diabo se constituiu como, príncipe deste mundo (João 14.30); deus deste século ( II Coríntios 4.4).

Os resultados da caída já eram conhecidos pelo homem. A "morte" foi o pior castigo que veio em conseqüência da desobediência do homem.

O castigo pode ser dividido em três diferentes manifestações:
1. MORTE FÍSICA
2. MORTE ESPIRITUAL
3. MORTE ETERNA
5. O JUIZO DE DEUS. Gênesis 3.14-19; 3.22,23.

a. Expulso do jardim do Éden

b. Sobre a serpente – arrastando--se sobre o pó.

c. Sobre a mulher – dor ao conceber filhos e submissão ao seu marido.

1. Sobre a criação natural – espinhos, cardos,
2. frio e de calor.

1. PROVISAO DIVINA. Gênesis 3.15; I Coríntios 1.30.

Esta dispensação termina com um saldo negativo por parte do homem, e

com um desejo de Deus em reatar sua relação com o homem. Isso se pode ver na promessa de Gênesis 3.15.

Ao terminar essa dispensação, Deus faz seu segundo pacto com o homem. O Pacto Adâmico, feito com Adão depois da desobediência (Gen. 3.14-19).
DISPENSAÇÃO DA CONCIÊNCIA

1. A segunda dispensação se chama da "Consciência" porque a humanidade tinha que se conduzir segundo as normas ditadas por sua consciência.

1. Começa com Gênesis 3.23.

Por sua experiência na dispensação da Inocência o homem aprendeu a diferença entre o bem e o mal, que a desobediência a Deus era mal e que a obediência era boa.

Agora, com sua consciência feita à semelhança de Deus ele foi deixado em liberdade para obedece-lo.
2. Terminou com o Diluvio.
3. Duração: 1656 anos

1. CIRCUNSTANCIAS FAVORAVEIS..
1. O homem tinha a promessa da redenção de Deus. ( A semente da mulher o livraria, juntamente com a criação da maldição).

2. Adão mostrou sua fé na promessa ao colocar o nome de eva" na mulher. Eva significa "vida" ou " a mãe de vida ". Eva foi a mãe da vida espiritual por sua semente Jesus.

3. Adão adorava a Deus e oferecia holocaustos por seu pecado. Certamente Deus lhe ensinou isso quando matou os animais para sua primeira roupa.

Com estas circunstancias favoráveis o principio da dispensação da Consciência foi tão perfeita como a da Inocência.
2. A PROVA. Gênesis 4.7. como a dispensação da Inocência e as outras, esta também tinha que ter sua prova.}
1. Sua lei foi sua consciência.

Pelo pecado na primeira dispensação o homem perdeu a "Consciência de Deus" e ganhou a "consciência de si mesmo". Isso quer dizer que em vez da conhecer e ver os atos, estado e caráter de Deus, que ele começou a prestar conta a seus próprios atos, estado e caráter, quer fossem justos ou injustos.

2. O homem tinha que obedecer as determinações de sua consciência.

1. Sua consciência estava em bom estado e sendo assim indicava corretamente o bom e o mal, o correto e o incorreto.

2. Podemos distinguir nove estados ou classes de consciência na Bíblia.

1. Consciência cauterizada (I Timoteo 4.2)

2. Consciência purgada (Hebreus 9.9,14; 10.2

3. Consciência manchada (Tito 1.15)

4. Consciência débil ou fraca (I Corintios 8.7)

5. Consciência Pura (Atos 24.l0).

6. Consciência Manifestante (Romanos 2,15; 9.1; 2 Corintios1.

7. Consciência Boa (Hebreus 13.18.)

8. Consciência Convicta (a boa saúde) (Gênesis 3.10; 4.13; 42.22; Mateus 27.3).

VERDADES DISPENSACIONAIS.

Destas, a consciência Convicta e a Consciência Cauterizada são as mais importantes.

1. A Consciência Convicta é a que está em boa saúde e esta mostrando corretamente o mal e o bom, ou seja, o correto e o incorreto.

2. A Consciência Cauterizada e a que está muito doente e diz ao homem que todas as coisas são boas, orientando-o de forma incorreta. Perdeu sua capacidade de distinguir o bom do mal porque seu dono havia desobedecido durante tanto tempo que se enfermou.

IV. O PRIMEIRO FILHO DE ADAO Y EVA

Com o nascimento de seu primeiro filho, é provável que o casal esperasse o cumprimento da promessa feita por Deus, que mandaria "um" para ferir a cabeça da serpente. Isso se pode ver no nome dado ao seu filho "CAIM": "alcancei um varão". Porém com o tempo eles viram que esse não era o filho da promessa.

V.O FRACASSO.

B. Caím fracassou , primeiro por nãao trazer uma oferta de sangue al alter de Deus (Gênesis 4.3-7).

1. Caín fracassou, em segundo lugar, por matar a seu irmão, Abel (v.8). Certamente Adão havia ensinado a seus filhos sobre a necessidade de trazer e oferecer sacrifícios de sangue para a remissão de seus pecados. Um aceitou, o outro recusou. Abel sabia que sua oferta foi aceita por Deus, pois o fogo veio sobre re a oferta e a consumiu. Porém nenhum fogo havia descido sobre a oferta (sem sangue) de Caím.

1. O CASTIGO.

1. Caím e os homens semelhantes a ele perderam a vida eterna.

2. Sua raça se terminou com o dilúvio.

2. A REDENCAO.

A redenção prevista por Deus foi a arca de Noé. Enoque escapou por ser arrebatado por Deus.
DISPENSAÇÃO DO GOVERNO HUMANO

A dispensação da consciência terminou em fracasso porque a humanidade não obedeceu às determinações de sua consciência. Por desobedece-la durante um longo período sua consciência se enfermou a tal ponto que não podia distinguir o bem do mal. Vimos que a raça humana, em virtude de suA maldade e desobediência, foi destruída pelo Dilúvio. Depois do Dilúvio Deus deu uma nova oportunidade à humanidade, através de Noé e sua família.

1. A terceira dispensação se chama " GOVERNO HUMANO" porque Noé foi posto como guia de um povo ou governo de sua casa.
1. Começou no fim do Dilúvio
2. Terminou com o chamado de Abraão.
3. Durou 427 anos.
2. CIRCUNSTANCIAS FAVORAVEIS
1. Noé, o guía, tinha 601 anos al sair da arca. Era uma pessoa com experiência natural e espiritual.
2. Tinha a promessa de Deus que não destruiria a humanidade outra vez por agua. Gênesis 9.13-15. O arco-íris foi o sinal.
3. Receberam um novo paco de Deus. Gênesis 9.9.
4. Tinham o costume de adorar ao Deus verdadeiro. Gênesis 8.20-21.
5. Tinha a completa vontade e liberdade de Deus. Gênesis 9.1-7. Isso incluía:
1. Permissão para formar um governo humano e governar-se a si mesmo.
2. Permissão para comer carne.

(Adão não tinha permissão para fazê-lo. Ainda que se crer que alguns pecadores no seu tempo o fizeram).

III. A PROVA.

1. A vontade da humanidade foi provada por ter que obedecer a lei feita por seu próprio governo.
1. Não tinham que obedecer sua consciência doente como anteriormente.
2. Deus lhes deus três conselhos como base de seu governo.
1. Contra assassinar (Gênesis 9.5)
2. Contra comer sangue. Gênesis 9.4. ( Deus nunca mudou essa determinação – Atos l5.29. O sangue sempre foi precioso aos olhos de Deus).
3. Como se devia castigar um assassino. Gênesis 9.6. Isso não foi aplicado no caso de Caím na outra dispensação.

1. O FRACASSO.
1. A embriaguez de Noé. (Gênesis 9.20-21)
2. Cão olhando o corpo nu de seu pai.
1. Parece que Cão o fez propositalmente pois saiu para dizer a seus irmãos. Eles conheciam o que era correto e cobriram o corpo de Noé.

2. Ainda que não se especifica bem, parece que o fato de contemplar a nudez do pai, consistia em um pecado grave.

3. A construção da torre de Babel. Gênesis 10.8-10.
1. O líder do governo era Nimrod
2. foi construída com o propósito de rebelar-se contra Deus
3. Era um sinal do orgulho e rebelião, além da adoração de um líder chamado Ninrod.
2. O CASTIGO.
1. Dispersão do povo ao ter sua língua confundida, dando origem a vários idiomas, tornando necessário separar-se em pequenos grupos que falassem o mesmo idioma.
2. Cão e seus descendentes foram destinados a ser serventes. Gênesis 11.5-9; 9.25.

Noé viveu 950 anos.
DISPENSAÇÃO DA PROMESSA

Ao contemplar o fim da dispensação do Governo Humano, se chega a pensar que não ficou ninguém que fosse considerado fiel em cumprir e obedecer as provas de Deus.

Elias clamou a Deus que tirara sua vida porque céu que só ele havia ficado fiel o Senhor, porém Deus lhe disse que havia 7.000 fiéis em Israel que não haviam sobrado seus joelhos a Baal. Assim também foi no tempo de Ninrod, pelo menos, uma família, a do pai de Abraão vivia fiel a Deus porque Abraão esta bem perto de Deus para ouvir sua voz.

1. A quarta dispensação se chama, da "Promessa" porque nela Abraão escuta uma promessa de Deus e se esforça para reclamar o cumprimento dessa promessa.

1. Começou no Chamado de Abraão ( Gênesis 12.1).

2. Terminou no Êxodo de Israel do Egito.

3. Durou 430 anos.

II. CIRCUNSTANCIAS FAVORAVEIS.

1. Abraão recebeu um novo pacto de Deus. Gênesis 12.1-3.
1. Benção incondicional prometida para sempre.
2. Deus escolheu uma família, em vez de muita gente.
3. O pacto foi feito com ele e sua família.
2. Abraão foi guiado a um novo lugar.
1. A separação do mundo sempre facilita uma vida de vitória. Gênesis 12.4
3. Abraão adorava a Deus.
1. Sabemos isso porque ele construiu um altar. Gênesis 12.7.
4. Abraão tinha a promessa de ser o canal pelo qual viria o Salvador de toda humanidade. Gênesis 12.3. Por isso é que essa dispensação se chama da "Promessa". Seu nome foi mudado de Abram para Abraão.
5. A primeira revelação da vontade de Deus nesta dispensação pode ser dividia em sete declarações de seu propósito.
1. Fazer de Arão uma grande nação – Gen. 12.2
2. Abençoar sua vida. Gen.13.2
3. Engrandecer sua nome . Gen. 12.2
4. Fazer dele uma benção – Gen. 12.2
5. Abençoar aos que o abençoasse – Gen. 12.3
6. Amaldiçoar os que o amaldiçoasse – Gen. 12.3
7. Abençoar nele todas as famílias da terra- Gen. 12.3.

III.A PROVA. As pessoas.

1. tinha que deixar sua terra.
2. Tinha que estar separado.
3. Tinha que ficar no lugar que Deus escolheria.
4. Tinha que depositar sua fé no Salvador prometido que viria.

1. O FRACASSO.
1. Abraão partiu da terra da preferência de Deus para ir à terra de seu próprio desejo.
1. Foi para Egito
2. Partiu de Canaã para escapar de uma sêca em vez de confiar em Deus.
3. Escapou do castigo divino por voltar a Canaã. Gênesis 20.10-13.
2. Isaque fez a mesma coisa – escapou do juízo divino por voltar.
3. Jacó também fez o mesmo, porém não voltou. Havia um castigo.

Cada filho era menos espiritual que seu pai. Todos confiaram na promessa, especialmente Abraão. Gálatas 3.3; Hebreus 11.8-9.

V. O CASTIGO OU JUIZO.

1. Foram escravos no Egito por 400 anos porque Jacó fracassou.
2. Sobre o Egito foram enviadas as pragas por maltratarem os escravos.

1. A REDENCAO MOSTRADA.

A. Êxodo 12-14. Todas as jornadas no deserto mostram redenção.

DISPENSAÇÃO DA LEI

Quando Deus viu que a nação escolhida não pode vencer por uma fé numa coisa prometida porém que não era visível, Ele lhe deu outra oportunidade com uma religião visível.

A quinta dispensação se chama da "Lei" porque Deus deu leis através de Moisés. Eram completas. Êxodo 13.1; Lucas 16.16.

1. Começou no monte Sinai
2. Termina com a morte de Cristo na Cruz.
3. Durou 17ll anos.

1. CIRCUNSTANCIAS FAVORAVEIS.
1. A lembrança dos milagres no Egito.
2. A proteção e providência no deserto por 40 anos
3. Com a entrega da Lei se conheceu a completa vontade de Deus.
1. O Tabernáculo foi construído.
2. Foi dado uma religião visível.
2. A PROVA
1. Tinha que obedecer. Êxodo 19.5-8.
2. Deus lhes deu três classe de leis:
1. Os mandamentos . Êxodo 20-1-15. Expressam a vontade divina.
2. Os juízos. Êxodo 21.1-13,33. Expressam as relações do homem com o homem.
3. As ordenanças. Êxodo 24.12; 312.18 ensinam sobre a adoração e a vida religiosa.

Ao receber as leis de Deus, os Israelitas se comprometeram em cumprir com tudo que Deus havia determinado. Eles selaram um pacto novo ao oferecer sacrifícios de sangue de animais. Isto significava que pagariam com a vida se desobedecessem. ( Ezequiel 18.4).

É importante observar que nesta dispensação a prova estava apenas sobre a nação judaica, os outros povos não eram julgados pelas normas da lei mosaica. Essa divisão foi feita pelo próprio Deus quando dirigiu sua palavra a Israel e à casa de Jacó. Êxodo 19.3.

Assim que pela aliança "incondicional" feito com Abraão a posição de Israel diante de Deus permaneceu firme; porém pela aliança "condicional", feita através de Moisés, Israel poderia perder as bênçãos de Deus se fosse desobediente.
3. O FRACASSO.

Ha uma lista de fracassos. Mencionamos alguns:
1. Murmuração no deserto.
2. Adoração de ídolos. (começou com o bezerro de ouro)
3. Muitas classes de pecados
1. Morais –
2. Espirituais –
4. finalmente recusa e crucificação de Cristo.
4. JUIZO OU CASTIGO ( HAVIAM DUAS CLASSES)
1. Sobre todo o mundo na cruz de Cristo. João 12.27; Atos 2.36; Colossenses 2.14-17.
2. Sobre a nação Israel.
1. O cativeiro permanente das 10 tribos.

2. O cativeiro de 70 anos das tribos de Judá e Benjamim.

3. A destruição da cidade de Jerusalém por recusar a Cristo. Mateus 24.1-2.

4. Disperso por todo o mundo em virtude de sua recusa de Cristo – Lucas 21.24. etc.

A Lei não foi dada com a finalidade de transformá-los em homens bons,

mas para tirar qualquer duvida sobre o pecado, a fim de mostrar o nível do pecado dos homens, para descobrir o pecador e trazê-los a juízo sem desculpas. Além disso, pela Lei, o homem podia recorrer aos sacrifícios, e pela fé, refugiar-se no Salvador prometido. Pois a Lei foi feita para os injustos. (I Timoteo 1.9.10).

No fim da dispensação da Lei, os sacerdotes e dirigentes judeus estavam totalmente metidos no legalismo e ritualismo, tornando-se cegos e insensíveis às profecias do redentor prometido; e recusando ao seu Rei quando este veio ao mundo.
DISPENSAÇÃO DA GRAÇA

A dispensação da Lei fracassou porque o homem foi muito débil para guardar todas as leis justas de Deus.

A Palavra diz que era possível obedecer todas as leis, pois Cristo fez o que nenhum outro conseguiu fazer. Mesmo que fosse possível, parece que Deus não esperava que alguém as obedecesse, exceto Seu Filho porque em Gálatas 3.24 diz que a lei tinha como propósito, convencer ou ensinar ao homem sua necessidade de um Salvador como Jesus Cristo. Ao começar essa dispensação da Graça, podemos dizer que, " A lei foi boa, porém a Graça é melhor".

I. A sexta dispensação se chama da . " GRAÇA" porque foi o principio do

" favor imerecido de Deus ao homem".

1. Começou na Cruz do Calvário.
2. Terminará com a vinda de Cristo em glória. O anticristo será destruído e terá inicio o reino de Cristo.
3. Duração: Neste ano (2004) a Dispensação da Graça tem mais ou menos 1974 anos.

II. CIRCUNSTNCIAS FAVORAVEIS.

1. O próprio Cristo começou esta dispensação. Ele foi a voz de Deus ao homem (Hebreus 1.1-3).
2. Ele logrou a obra da redenção que Deus lhe havia encarregado (João 17.1-5)
3. Ele destruiu todas as obras do Diabo ao fazer obras maiores sobre o poder do diabo.
4. Ele trouxe a liberdade pelo Evangelho
5. Ele estabeleceu uma igreja e a revestiu com poder para continuar a obra que Ele começou. Mateus 8.17; l8.l8; João 14.16; Atos 1.1-2; 2.1-4.

6. Com uma igreja vitoriosa, todo o mundo pode ouvir, atreves dela, e obter ou ao menos buscar o evangelho.Assim que Deus tornou mais fácil, para esta geração, o fazer sua vontade. Porém o homem, como nas dispensações anteriores está fracassando ao não aproveitar a gloriosa oportunidade de ser redimido, nascido de novo, recreado em Cristo, onde ele pode ter a vitória completa sobre a carne, o mundo , e o diabo, e onde ele pode ter a retidão que a lei requer, cumpridos nele por meio do Espírito Santo ( Romanos 8.1-13; João 3.5; Tito 3.5).

III. A PROVA

A prova desta dispensação é a mesma da dispensação da Promessa.

1. Separação do mundo pecaminoso.
2. Uma fé em Jesus Cristo que opera obediência a Ele (Romanos 1.5; 16.26; Mateus 38.19; Marcos 16.15-18; Atos 1.8; Hebreus. 11.6).

A Salvação é para todos, porem ele abençoará unicamente aos que crêem e recebam a Cristo como um Salvador pessoas. (Marcos 16.15-17; João 1.12; Atos. 2.38-39; Romanos 10.10).

IV. O PROPOSISTO DESTA DISPENSACAO

O propósito desta dispensação não é a conversão do todo o mundo como alguns crêen (porque nem todos crerão) porém o " chamar" de fora ou tomar deles a um povo para Seu nome ( Atos 15.13-18). A palavra grega "eklesia" traduzida

" igreja" realmente quer dizer " assembléia" ou " congregação" do povo chamado de fora. A maioria do povo ou massas, não será salva durante esta dispensação . Apocalipses 9.20-21; 16.9,11. Porque a humanidade entrará numa apostasia e em pecado no fim do século, como nunca se viu antes na historia do mundo. ( II Tessalonicenses 2.l0-12; Mateus 24.15-26; Apocalipses 13.l-8, l0).

O meio de alcançar este propósito será a pregação do evangelho, " que é poder de Deus para salvação de todo aquele que crer..."

Na dispensação da Inocência, o homem tinha que obedecer o mandamento de Deus; na da Consciência ele tinha que obedecer as determinações de sua própria consciência, o oferecer sacrifícios com fé no Salvador vindouro; na da Promessa ele tinha que aceitar as promessas de Deus por fé e também oferecer sacrifícios com a fé colocada no Salvador vindouro; y na da Lei ele tinha que obedecer a lei que incluía oferecer sacrifícios com fé no Salvador vindouro; porém na dispensação da Graça tem que crer e receber ao próprio Salvador que ja veio, apenas isso.

V. O FRACASSO

1. O primeiro fracasso foi a rejeição de Jesus pelos Judeus. Tiveram uma gloriosa oportunidade depois do Calvário, mas também a recusaram (Atos 3.19-26).
2. A apostasia da igreja visível ( II Timóteo 3.1-8).

1. O JUIZO OU CASTIGO.

O fim desta dispensação será o juízo de Deus sobre todos os incrédulos e nações durante a Grande Tribulação e o reino do anticristo.

A segunda vinda de Cristo à terra com Seus santos concluirá o período da Grande Tribulação e dará começo à dispensação do Reino ou do Milenial.

A Dispensação da Graça se caracteriza por duas coisas importantes: A manifestação do Espírito Santo, e o inicio do ministério da IGREJA.

A IGREJA

I . A IGREJA É UM MISTERIO.

Cristo falou dela a seus discípulos Mat.16.13-19; porém o mistério foi primeiro revelado ao Apóstolo Paulo. Efésios 3.3-6,9; Romanos 16.25,26.

II. A IGREJA É UM ORGANISMO (tem vida).

Não é apenas uma organização ou denominação. É o Corpo de Cristo (Efésios 5.23-32).

l. Cristo é a cabeça da Igreja. Efésios 1.22,23; Colossenses 1.18.

2. A igreja está comparada com uma casa ( I Timóteo 3.15)

3. A igreja esta comparada com um templo (Efésios 2.21-22)

4.A Igreja esta comparada com um corpo. ( I Coríntios 12.27-31)

5. O Espírito Santo faz com que todos os membros sejam um só corpo

Efésios 4.4-6; I Coríntios 12.27; Romanos 12.5.

III.A IGREJA É A NOIVA DE CRISTO.

l. Atualmente ela está comprometida com Cristo como uma virgem ( II Corintios 11.2).

2.A igreja está aperfeiçoando para Ele. Efésios 4.11-13.

NOTA: Há duas noivas nas Escrituras: 1) No Velho Testamento Israel é a esposa infiel de Jeová. Isaías 54.5. Por sua infidelidade (ídolos) foi colocado de lado, porém ao arrepender-se será restaurada ao favor divino. Ezequiel 16; Oseías 2.1-23. 2) No Novo Testamento a Igreja é a Noiva de Cristo, sempre fiel, ela morará na Jerusalém celestial depois do milênio, enquanto que Israel morará na terra renovada.

IV. A ORIGEM DA IGREJA

Nos pensamentos de Deus a Igreja foi escolhida desde os tempos eternos. Efésios 1.4,5. Quando Cristo olhou para a cruz, Ele revelou a seus discípulos o propósito de fundar a Igreja. Mateus 16.13-20. O ensino da igreja Católica romana que a igreja foi fundada sobre Pedro e que os papas são seus sucessores não se encontra na Bíblia.

A Igreja nasceu no dia de Pentecostal quando o Espírito Santo veio e deu vida à Igreja.

V. MISSAO DA IGREJA.

A Igreja não é um "clube social", nem uma logia, nem uma associação de reforma, nem um lugar de venda de privilégios pecaminosos nesta vida ou na vida futura, mas:

1. Uma luz que brilha - Mateus 5.13-16
2. Sal para preservar – Mateus 5-13.
3. Um evangelista para pregar – Marcos 16.15-20
4. Um exemplo da vida de Cristo – I Pedro 2.9.
5. Um embaixador para representar ao reino do céu- II Corintios 5.20.

A verdadeira Igreja está composta de santos ( nascidos de novo) de todas as denominações. Mas sempre é bom ressaltar que em todas as denominações deve haver membros que são membros da verdadeira Igreja, e que em todas as denominações deve haver membros que não são da verdadeira Igreja. Isso quer dizer que, o fato de ser congregado não significa ter o nome no livro da vida. É necessário ser convertidos, nascido de novo. Não existe denominação com privilegio especial.

VI. RAPTO OU ARREBATAMENTO DA IGREJA.

O Rapto ou Arrebatamento da Igreja é a grande e gloriosa experiência vindoura da verdadeira Igreja. I Tessalonicenses 4.13-17; I Corintios 15.51-57. a Igreja será tirada ou arrebatada quando Cristo se manifeste nas nuvens e subirá para reunir-se com Ele.

Quando será o arrebatamento da Igreja?

A Igreja será arrebatada antes da Grande Tribulação. Existe alguns que crêem que a Igreja passará pela Tribulação. Contra isso, temos alguns pontos a considerar.

1. Nas Escrituras não se menciona a Igreja em conexão com a Grande Tribulação.

2. em Apocalipse não se menciona a palavra " Igreja" depois do capítulo 4. Se crer que os 24 anciãos do capítulo 4 são representantes da igreja.

3. Muitos confundem a expressão da promessa a Filadélfia em Apoc. 3.10.

4. Os cálices de Apoc. 16 são juízos de Deus ao mundo, porem a promessa ao crente em João 5.24 é que ele não virá a juízo.

I Tes. 5.8-9; Rom. 5.9; 2 Tes. 1.9-10.

5. A Grande Tribulação, apesar de que afetará a todo o mundo, diz

respeito especialmente a Israel ( Jer. 3.7; Dan. 12.1).

6. A promessa à Igreja sobre a ocasião em que se reunirá com o

7. Senhor é sem data. I Tes. 1.10; Fil. 3.20-21. Os sinais nas Escrituras se referem à segunda vinda do Senhor em sua revelação ao mundo.

VII. TRIBUNAL DE CRISTO

Entre os diversos juízos das Escrituras, encontramos um dos mais importantes que e o juízo do Tribunal de Cristo, onde se julga e se recompensa a Igreja. Não devemos confundir o Tribunal de Cristo com o Juízo Final. No Tribunal de Cristo, que se seguirá depois do arrebatamento da Igreja, só os salvos comparecerão. Será para prestar contas de nossa mordomia (Rom. 14.10; II Cor. 5.10; Ef. 6.8).

1. AS BODAS DO CORDEIRO.

Isto acontecerá nas regiões celestiais. Apoc 12.5-12; 19.4-9; 21.2-11. Será a grande festa esperada pela Igreja de Cristo, será quando se selará o casamento do Noivo (Cristo) com a Noiva ( a Igreja), e estarão juntos por toda a eternidade.

Enquanto que a Igreja está nos ares com o Senhor Jesus, aqui na terra começara o período mais terrível da historia humana: A GRANDE TRIBULACAO.

A GRANDE TRUBULACAO.

1. QUANTO TEMPO DURARÁ?

A Grande Tribulação será um período de sete anos que se seguirá à Dispensação da Graça. Serão os sete anos mais terríveis da historia do mundo, quando Deus castigará ao mundo. No capitulo 9 de seu livro, Daniel nos fala de 70 semanas de anos (490 anos). 69 semanas de anos (483 anos) já se cumpriram com a primeira vinda de Cristo, deixando uma semana de anos (7 anos) para ser cumprido. Estes 7 anos corresponde ao período da Grande Tribulação. De Apocalipse 6.1 até 19.21 será o período da G. Tribulação.

Haverá uma divisão de dois períodos: A primeira parte de 3 anos e meio será menos drástica. A segunda parte inclui Apoc. 12-19. Na primeira parte o Anticristo protegerá aos judeus, porém quando eles o recusarem começará a grande perseguição. Alguns textos que se referem a estas duas partes: Mat. 24.21-22; Apoc. 11.1-2; Daniel 12.1; Apoc. 12.14-17; 13.5-7; Jer. 30.4-11.

II. O PROPOSITO DA GRANDE TRIBULACAO

O propósito divino da Grande Tribulação é de purificar a Israel e trazê-los outra vez a um lugar onde deus possa cumprir seu convenio eterno, feito com seus pais.

II.CARACTER DA GRANDE TRIBULACAO

Haverá toda classe de maldade em grau superlativo. Porque será dessa maldade que Deus lançará sua ira e castigo sobre os gentios. Apo. 6.1-19,21.

2. O ANTICRISTO

No inicio da Grande Tribulação se manifestará um grande homem com poderes extraordinários. O mundo o receberá para salvá-lo das muitas dificuldades que existirão nesse período. (principalmente problemas civis e econômicos a nível universal). Será recebido como um cristo ou salvador e muitos crerão que ele é o Cristo. Com o arrebatamento da Igreja e sem a forte atuação do Espírito Santo, ele poderá atuar com toda liberdade através do poder do Diabo. 2 Tes.2-3-12; Mat. 5-13.

No inicio da grande Tribulação haverá um pacto entre o Anticristo e os judeus, porém depois de 3 anos e meio romperá seu pacto com eles e os perseguirá ferozmente.

3. A SEGUNDA VINDA DE CRISTO

A segunda vinda do Senhor Jesus, será depois da Grande Tribulação e antes do inicio do Milênio.

Na ultima parte da Grande Tribulação o Anticristo juntará todos os exércitos do mundo para lutar contra os judeus e apoderar-se de Jerusalém. Assim se dará o que a Bíblia chama de " Batalha do Armagedom" Sal. 2.1-9; 21.8-12; 46.1-4; 76.7,8; 110.1-7; Isaías 2.19-21; 31.4,5; 34.2,3; 41.11,12; 49.25; 59.l7-19; 66.15,16; Jer. 25.30-33; 30.16; Zac. 12.7-9; 14.3,4, 13-15; Miq. 7.16,17; Luc. 19.27.

No momento final, quando o Anticristo começar a comemorar a vitória sobre os judeus, Cristo aparecerá nos céus contado sobre um cavalo branco, acompanhado por todos seus santos que formarão parte do seu grande exército. Cristo destruirá o exercito do Anticristo, e lançará o anticristo e o Falso Profeta no lago de fogo para sempre. Os judeus olharão a Cristo e o reconhecerão como o Jesus crucificado, seu Messias e Libertador. Logo depois Satanás será aprisionado por mil anos, no mesmo lugar onde já estarão o Anticristo e o Falso Profeta. Depois cristo julgará as nações vivas, para seguidamente dar inicio al período milenial. Zac. 14.1-18; Ez. 39; II Tes. 2.8; Apoc. 16.13-16; 19.11-21; Is. 66.5,6; Zac. 13.

DISPENSAÇÃO DO REINO OU MILENIAL

Esta é a sétima e ultima Dispensação, é a que precede o novo céu e a nova terra. Neste período de 1000 anos Cristo porá Seus inimigos sob seus pés. Ef. 1.10, 21; I cor. 15.24-28; Ap. 20.1-6.

I. Se chamará do reino divino porque Cristo reinará..

1. Começa com a vinda de Cristo em glória.

2. Terminará com o Juizo Final, ou Grande Trono Branco.

3. Durará 1.000 anos.

II. CIRCUNSTANCIAS FAVORAVEIS.

1. Cristo reinará com ajuda dos santos. Is.4.2-3; 9.6-7; 11.1-9; Jer. 23.5-8; Ap. 11.15.

2. Satanás será amarrado no abismo. Ap. 20.1-13.

3. O governo será perfeito em Justiça. Não será monarquia, nem democracia, nem autocracia, mas uma teocracia. Os santos de todos os tempos terão prte no reino, Oséias 3.5; Jer. 30.9; Ez. 34.10.

4. A terra estará livre da maldição que atualmente pesa sobre ela.

5. Haverá um só reino que cobrirá toda a terra. Haverá uma unica capital, Jerusalém.Pecadores estarão no reino , mas estarão obrigados a obedecer as leis do reino. Is. 2.2-5; Sal. 2.7-9; Miq. 4.3; I Cor. 15.25-28; ap. 20.1-10; Zac. 14.16-21.

6. Haverá um novo templo. Cristo será seu construtor. Zac. 6.9-15. O templo que os judeus construíram e que foi profanado pelo Anticristo será destruído na batalha do Armagedom. 2 Tes. 2; Mat. 24.15; Ap. 11.1-2.


NOVIDADE PARA SUA IGREJA. ACESSE:
http://bispoluissousa.blogspot.com/2010/12/apostilhas-para-pastores-para-pastores.html